quarta-feira, 31 de março de 2010

Como reconhecer a violência psicológica







Dentre os diversos tipos de violência contra a mulher, destaca-se a violência psicológica, marcada por atos de humilhação, ameaça, isolamento, críticas, intimidação, dentre outros.

Uma forma de Violência Emocional é fazer o outro se sentir inferior, dependente, culpado ou omisso, é um dos tipos de agressão emocional dissimulada mais terríveis. A mais virulenta atitude com esse objetivo é quando o agressor faz tudo corretamente, impecavelmente certinho, não com o propósito de ensinar, mas para mostrar ao outro o tamanho de sua incompetência. O agressor com esse perfil tem prazer quando o outro se sente inferiorizado, diminuído e incompetente. Normalmente é o tipo de agressão dissimulada pelo pai em relação aos filhos, quando esses não estão saindo exatamente do jeito idealizado ou do marido em relação às esposas.

O comportamento de oposição e aversão é mais um tipo de Agressão Emocional. As pessoas que pretendem agredir se comportam contrariamente àquilo que se espera delas. Demoram no banheiro, quando percebem alguém esperando que saiam logo, deixam as coisas fora do lugar quando isso é reprovado, etc. Até as pequenas coisinhas do dia-a-dia podem servir aos propósitos agressivos, como deixar uma torneira pingando, apertar o creme dental no meio do tubo, um saco de pão aberto e coisas assim. Mas isso não serviria de agressão se não fossem atitudes reprováveis por alguém da casa, se não fossem intencionais.

Essa atitude de oposição e aversão costuma ser encontrada em maridos que depreciam a comida da esposa, por exemplo.

Esses agressores estão sempre a justificar as atitudes de oposição como se fossem totalmente irrelevantes, como se estivessem corretas, fossem inevitáveis ou não fossem intencionais. "Mas, de fato a comida estava sem sal... Mas, realmente, fazendo assim fica melhor..." e coisas do gênero. Entretanto, sabendo que são perfeitamente conhecidos as preferências e estilos de vida dos demais, atitudes irrelevantes e aparentemente inofensivas podem estar sendo propositadamente agressivas.

As ameaças de agressão física (ou de morte), bem como as crises de quebra de utensílios, mobílias e documentos pessoais também são consideradas violência emocional, pois não houve agressão física direta. Quando o(a) cônjuge é impedida(a) de sair de casa, ficando trancado(a) em casa também se constitui em violência psicológica, assim como os casos de controle excessivo (e ilógico) dos gastos da casa impedindo atitudes corriqueiras, como por exemplo, o uso do telefone.

Um outro tipo de violência verbal e psicológica diz respeito às ofensas morais. Maridos costumam ferir moralmente quando insinuam que a esposa tem amantes. Muitas vezes a intenção dessas acusações é mobiliza-la emocionalmente fazendo sentir-se diminuída. O mesmo peso de agressividade pode ser dado aos comentários depreciativos sobre o corpo da cônjuge.

A mulher que ama o companheiro, quando vítima de atrocidades psicológicas tende, quase sempre ao sentimento de culpada, invariavelmente. Ou não consegue identificar a capacidade do companheiro em arquitetar e manietar. Sente-se confusa, pois não acredita na possibilidade de intenção e mesmo não acreditam ser esta, uma forma de violência. Não acredita que o marido a está fazendo sofrer deliberadamente fazendo-a sentir o sabor do poder que ele detém.

A "confusão" sentida e vivida pela mulher vítima de atrocidades psicológicas reside, na maioria das vezes, no equívoco de "confundir" os sentimentos. Desvalia ódio, rejeição. Esta mesma mulher que pensa que ama, pode não amar o marido.

Muitos outros motivos podem estar contribuindo para que ela viva o sentimento de "confusão". Medo de encarar outra realidade que ela pensa ser mais difícil, que ela pensa que não vai conseguir alcançar. O medo da separação, do divórcio. O medo de ter "fracassado" no seu casamento e por fim, também a possibilidade de ela confundir no sentimento de culpa e perder-se no desconhecimento da autopunição ou autodestruição.

O agressor:

Esse homem agride a mulher por se sentir inferiorizado socialmente. Muito inseguro em relação à sua masculinidade devido a insucessos na vida profissional ou por não se reconhecer no espelho, estando muito abaixo de suas próprias expectativas. Em casa, um pequeno gesto de independência da mulher ou mesmo uma pequena brincadeira que o faça se sentir ofendido, ele manifesta mágoa (ou impõe seus pontos de vista e desejos) de forma violenta.

Estes indivíduos são quase sempre simpáticos, gentis, extrovertidos, educados, mas com grandes complexos de inferioridade, por isso mesmo, têm o objectivo de tomar como missão, destruir a pessoa bem sucedida que está ao seu lado, com o passar do tempo a pessoa vai perdendo a auto-estima, enquanto que ele sobressai cada vez mais.

A Agressão Psicológica é especialidade do meio familiar, e muito possivelmente, dos demais relacionamentos íntimos, chegando-se ao requinte de agredir intencionalmente com um falso aspecto de estar fazendo o bem ou de não saber que está agredindo. O simples silêncio pode ser uma agressão violentíssima. Isso ocorre quando algum comentário, uma posição ou opinião é avidamente esperado e a pessoa, por sua vez, se fecha num silêncio sepulcral, dando a impressão politicamente correta de que "não fiz nada, estava caladinho em meu canto...".

Não é o freqüente, no relacionamento íntimo, a agressão sem intencionalidade de agredir, ou seja, a agressão que é sentida pelo agente agredido, independentemente da vontade do agressor. Normalmente, pelo fato da família ser um grupo onde seus membros têm pleno conhecimento da sensibilidade dos demais, mesmo que a situação de agressão refletisse uma sensibilidade exagerada de quem se sente agredido, o agressor não-intencional deveria ter plena noção das conseqüências de seus atos. Portanto, argumentar que “não sabia que você era tão sensível” é uma justificativa hipócrita.

As atitudes agressivas refletem a necessidade de uma pessoa produzir alguma reação negativa em outra, despertar alguma emoção desagradável. As razões dessa necessidade são variadíssimas. Podem refletir sentimentos de mágoa e frustrações antigas ou atuais, podem refletir a necessidade de solidariedade emocional não correspondida (estou mal logo, todos devem ficar mal), podem representar a necessidade de sentir-se importante na proporção em que é capaz de mobilizar emoções no outro.... enfim, cada caso é um caso.

Esse tipo de violência acarreta danos à auto-estima feminina e pode levar à depressão ou até mesmo ao suicídio.



fonte:site Psleo, blog Uma Mulher e Abuso nos Relacionamentos Íntimos - in PsiqWeb, Internet, disponível em http://www.psiqweb.med.br/

6 comentários:

Anya disse...

Very informative
and so the truth !!!!!
Great post because we all never forget that,
its sometimes very sad :(

Cris Caetano disse...

Thanks... and it is!

But us, women, must stop blame ourselves.

Hugs

O que elas estao lendo!? disse...

Hoje saiu o resultado do sorteio do livro. Passe para assistir ao video e ler sobre o encontro que aconteceu.

http://elasestaolendo.blogspot.com/2010/03/tassia-camargo-atriz-da-o-resultado-do.html

Bjao e boa Páscoa

Equipe do blog

Cris Caetano disse...

Já estou passando lá. Obrigada!

Beijão e Boa Páscoa pra você também!

Georgia disse...

Cris, parabéns pelo texto. Muito bom.
Mas deixa eu te falar uma coisa, aqui os alemaes sao muito assim de humilhar todo mundo que eles acham ou pensam que sao superiores. Eu tive muitos arranca rabos com meu marido por ele achar que tudo dele era sempre o melhor e menosprezava os dos outros. Depois fui vendo que eles sao assim de um modo em geral. Eles por exemplo sao incapazes de dizer que vc está bonita. Meu marido diz, mas o restante da familia te olha de rabo de olho, os amigos idem, Vc precisa ver a concorrência no setor de trabalho. É uma verdadeira guerra de nervos mental, pois cada um se sente melhor que o outro e faz com que o outro se sinta por baixo com a humilhacao.

Eu me pergunto se no Brasil em muitos casos tb nao é assim?

Boa Páscoa querida.

Um beijo enorme prá você

Cris Caetano disse...

Claro que há disso por aqui, Ge, mas nesse caso é diferente desse tipo violência psicológica (agressão emocional), o homem (vou citá-los porque o número de mulheres que a praticam é ínfimo) que a pratica não age assim com os amigos ou com os familiares, muito pelo contrário, ele é normalmente gentil e delicado com os outros. Essa atitude é típica de um jogo de poder, normalmente praticada por homens inseguros com complexo de inferioridade e acho até que devo adicionar o perfil desse tipo de homem no post para não deixar dúvidas.

No outro caso, o complexo é de superioridade e é uma violência psicológica mais comum no ambiente de trabalho.

Esse post é apenas um alerta, uma forma de alguém entender o que está passando, se identificar e conseguir se livrar dessa situação dolorosa sem culpa.

Obrigada e uma ótima Páscoa pra você e sua linda família.

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.