quarta-feira, 24 de março de 2010

Não sou desse mundo



Antes de mais nada, eu juro que estou bem. Mas... eu me coloco a pensar se algum dia o mundo em que eu vivo vai realmente ser melhor do que é ou do que já foi.

Mesmo não querendo, eu sempre acabo pensando nas coisas que eu vejo, no comportamento do outro, tenha isso acontecido ontem, hoje, ou num passado muito próximo.

Questiono mesmo sobre qual é a vantagem em ser esperto e passar por cima dos outros. Qual a vantagem de ferir o outro, em qual é a vantagem da falta de lealdade. Qual a vantagem de não se respeitar o outro.

Não sei se a culpa são dos valores e dos princípios que me deram desde a infância. Mas isso não significa que eu me considere perfeita ou que não erre. Erro. Mas não erro no básico, sendo desleal, sendo desrespeitosa ou agindo sem ética.

Não entendo alguém se vangloriar em pecar, em dizer que se sente atraída pelo que considera errado e ainda se sentir superior a alguém agindo assim. Não entendo o prazer em fazer o outro de tolo, e o adjetivo é por conta do tal que se considera mais esperto.

A vulgaridade me deprime e não entendo o prazer em ser vulgar.

Não entendo o prazer de ver o outro sofrer agindo de forma premeditada.
Penso e repenso e não consigo entender várias atitudes que vejo num número imenso de pessoas que passam em paralelo à minha vida.

Quantas vezes penso que estou no lugar errado e no momento errado, só que não faço idéia de qual seja o lugar certo e nem sei se ele existe. Mas quantas e quantas vezes eu penso que não sou desse mundo.


0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.