sábado, 20 de março de 2010

Balada de Agosto



Lá fora a chuva desaba e aqui no meu rosto
Cinzas de agosto e na mesa o vinho derramado
Tanto orgulho que não meço
O remorso das palavras que não digo

Mesmo na luz não há quem possa se esconder no escuro
Duro caminho o vento a voz da tempestade
No filme ou na novela
É o disfarce que revela o bandido

Meu coração vive cheio de amor e deserto
Perto de ti dança a minha alma desarmada
Nada peço ao sol que brilha
Se o mar é uma armadilha nos teus olhos


Fagner e Zeca Baleiro
foto: Andrzej Jurczak



6 comentários:

Anya disse...

Touching words
and touching photo ..... LOL

Have a HAPPY weekend
Kareltje =^.^=
Anya :-)

Cris Caetano disse...

Hi, dear! :)

Thanks, for you too and a big kiss at Kareltje's nose. :)

Maria disse...

Tão bom ouvir esta musiquinha hoje, e agora...

Beijinho, Cris.

Cris Caetano disse...

:) :)

Beijocas, Maria

salvoconduto disse...

Uma delícia!

Bom domingo.

Cris Caetano disse...

:) :)

Obrigada, bom domingo pra ti também.

Abreijos

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.