terça-feira, 11 de maio de 2010

A que ponto chegamos

Dunga e Jorginho apelam ao patriotismo para unir país após lobby frustrado





Eu sou apaixonada pelo Flamengo, pelo Benfica e pela Seleção Brasileira. Gosto de futebol - culpa do papai (Flamenguista e Portista) que tinha o maior prazer em estimular esse gosto através de todas as pacientes explicações sobre futebol. Mas não é o meu ópio e nem desvio o olhar do resto que acontece pelo país. Tenho um olho no padre e o outro na missa.

Mas me chocou ler essa notícia. Desde quando um técnico de uma seleção de futebol no Brasil precisa apelar ao patriotismo? Futebol e samba são paixões nacionais. Deveriam ter outras paixões como educação, por exemplo, mas isso é outro assunto.

Foi impossível não deixar de comparar a atitude do Dunga a de Felipe Scolari ao convocar os portugueses a torcerem por Portugal quando assumiu o cargo de técnico da seleção portuguesa, mas com a diferença de que os portugueses estavam desabituados a torcer pela sua seleção que durante anos não se classificava para uma Copa do Mundo.

Segue a notícia:

Muito patriotismo, palavras dirigidas diretamente ao torcedor e até um desabafo. Dunga e seu auxiliar Jorginho transformaram parte da entrevista coletiva concedida nesta terça-feira em uma “convocação popular”. Aproveitaram as transmissões ao vivo das televisões para convencer a torcida da importância de apoiar o time. Isso tudo minutos depois de anunciarem a lista dos 23 jogadores que vão à Copa do Mundo sem Paulo Henrique Ganso e Neymar, pedidos por grande parcela da população na seleção.

“Ser treinador tem um preço e estou disposto a pagar por isso, assim como os jogadores. Os atletas estão prontos para se doar. Cada um que está na seleção tem que ser patriota. Peço o apoio do torcedor, que ele nos incentive. Vamos nos doar ao máximo por nosso país”, bradou Dunga.

Em pelo menos três respostas, o treinador chamou a atenção do torcedor antes de responder às perguntas feitas durante a entrevista: “você, torcedor, vai entender”, “você pode ter certeza que a seleção vai se doar”, enfatizou.

Dunga não deixou de responder nenhuma pergunta. Mas em algumas questões que o incomodaram a saída preferida foi o discurso patriótico. O treinador sabe que desagradou milhares de torcedores ao não chamar Paulo Henrique, Ganso e/ou Neymar. E aproveitou o importante momento desta terça para começar a reverter tal panorama.

“Jamais vou envergonhar o povo brasileiro. Eu tenho um único interesse, assim como a comissão técnica e os jogadores: fazer o melhor. Vamos sofrer, mas vai dar certo”, prometeu Dunga.

O auxiliar-técnico Jorginho mostrou entrosamento com o companheiro. Reforçou inúmeras ideias anteriores de Dunga e fez o mesmo quando o tema foi patriotismo. A sequência de perguntas questionando as ausências de Ganso e Neymar causou um desabafo do ex-lateral.

“Somos brasileiros, temos que torcer pelo Brasil. Vai ser bom para todo mundo. Quantos brasileiros não estão empregados graças a isso [Copa]? Por que não vemos o lado positivo das coisas?”, disse Jorginho.


Não sei quantos brasileiros estão empregados graças à Copa que acontece na África do Sul, mas vou torcer na mesma, vou achar a festa lindíssima, mas acho que não vai dar pé, e nem por isso acho o meu pessimismo uma atitude anti-patriótica.




fonte:UOL

4 comentários:

Gisa disse...

hehehehe não fique brava Cris, não podemos perder a fé rsrs

bja flor

Cris Caetano disse...

rsrsrs Ah, menina, ontem se desse chance acho que eu mordia o Dunga. hahaha

Hoje é tipo: o que não tem remédio, remediado está. Estou mais calminha.

Beijão, linda.

salvoconduto disse...

Por cá, exactamente a mesma coisa, irra!

Abreijos.

Cris Caetano disse...

Está complicado, meu amigo, está complicado...

Abreijos

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.