sexta-feira, 8 de abril de 2011

O lado positivo da tragédia



No momento em que acontece uma tragédia como a que ocorreu no Rio de Janeiro, com a morte de 13 crianças por um psicótico, a primeira coisa que o ser humano lembra de fazer é tecer críticas a tudo o que está errado, mas aconteceram várias coisas de positivo.

Vários profissionais de saúde (médicos e enfermeiros) se apresentaram voluntariamente nos hospitais públicos para atenderem ao grande número de vítimas, alguns que socorreram em seus plantões continuaram trabalhando durante o dia. Helicópteros da polícia civil transferiram vítimas prontamente para hospitais, porque tinham necessidade de cirurgia neurológica, depois de serem estabilizadas no hospital mais próximo da tragédia.

A Sociedade Brasileira de Psicologia e Psiquiatria disponibilizou profissionais para a família das vítimas.

Então, vivemos ontem um dia extremamente triste no Rio de Janeiro, mas devemos abrir a mente para termos consciência de que num momento crítico e extremamente triste sempre há pessoas que se solidarizam com o próximo e mesmo os órgão que tinham obrigação de agir, agiram com rapidez e eficiência senão a desgraça seria maior.

E por tudo os que os especialistas dizem a respeito desse assassino (psicótico ou esquizofrênico), procure por ajuda médica quando considerar a pessoa próxima de você, uma pessoa esquisita.

E antes que alguém ache que sou partidária do Prefeito ou do Governador do Rio de Janeiro, não sou. Muito pelo contrário, meu voto nunca foi para nenhum dos dois.

Um bom fim de semana a todos!

4 comentários:

Mylla Galvão disse...

Convivo com 2 pessoas esquisitas aqui em casa... meus irmãos são esquizofrênicos, mas pacíficoa!

Aquela tragédia ainda está entalada aqui na garganta!

bjos

Cris Caetano disse...

Oi, Mylla, acredito que eles sejam pacíficos porque se medicam, já que a esquizofrenia é conhecida por provocar alucinações.

Beijos e bom fim de semana.

Georgia disse...

Cris, qual foi o motivo dessa loucura? Até agora nao entendi direito toda essa loucura.

Mas que foi terrível foi.

Bjao

Cris Caetano disse...

Oi, Ge! Tudo indica que ele sofresse de esquizofrenia. A mãe biológica era esquizofrênica, ele andou em psicólogos até os 17 anos e depois nunca mais, se isolou e viveu uma guerra mental onde seria perseguido, por conta da doença. Basicamente é esta a conclusão, mas ainda investigam o resto: se ele planejou mesmo sozinho, onde arranjou as armas, a estória é mais complexa do que parece, pelo jeito.

Um horror, mas ontem assistindo ao Jornal na TV me deu um alento: a escola é mesmo excelente, e é pública, e o diretor decidiu reformar as salas para descaracterizá-las, retomarão às aulas apenas com atividades relacionadas à arte para ajudar a superarem o trauma, sem forçar alunos, funcionários e professores a nada. Achei de uma consciência rara.

Beijão

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.