terça-feira, 10 de agosto de 2010

Ouso!





Eu ouso a paixão
não a recuso

Escuto os sentidos sem o medo por perto
troco a ternura da rosa
ponho a onda no deserto

A tudo o que é impossível
abro e rasgo o coração
Debaixo coloco a mão
para colher o incerto

Desembuço o amor
no calor da emboscada
infrinjo regras e impeço

Troco o sonho dos deuses
por um pequeno nada

Desobedeço ao preceito
e desarrumo a paixão
Teço e bordo o meu avesso
e desacerto a razão

Maria Teresa Horta
foto: Tom Dirven




6 comentários:

jamesp. disse...

Muito lindo,Cris!!Beijos,querida.

Luis Eme disse...

pois...

não fosse o amor essa coisa estranha, e a té poética...

bjs Cris

Cris Caetano disse...

:)
Beijos, mon cher

Cris Caetano disse...

É extremamente poético e muito estranho mesmo, Luis.

Beijos

Maria disse...

O amor é estranho?
Hummmmm.... é a 'coisa' mais natural que existe. Para ser vivido. Completamente!

Beijo, Cris.

Cris Caetano disse...

Pois é, Maria... eu sempre acho que é natural, mas vem a vida e me mostra que ele é estranho.

Beijos

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.