segunda-feira, 11 de agosto de 2008

"Traces" do Canadá em S.Paulo

Cinco artistas presos em um bunker, à beira da extinção da humanidade, tentando com todas as suas habilidades salvar-se ou deixar um "traço" de existência no mundo. Essa é uma das formas de explicar "Traces", espetáculo circense da companhia canadense Les 7 Doigts de la Main, que vem ao Brasil para uma temporada em São Paulo (13 a 24 de agosto) e Rio de Janeiro (27 a 31 de agosto).



Formada por sete artistas que abandonaram o Cirque du Soleil, também de Montreal, a Les 7 Doigts de la Main ("Os sete dedos da mão") tem apenas quatro espetáculos no currículo, mas já é tida como uma das principais referências do circo moderno. Suas montagens não trazem os figurinos e cenários circenses habituais, preferindo abordar temas urbanos e incorporar técnicas de street dance, skate e até basquete.



Em "Traces", porém, não são os sete diretores da companhia que atuam, e sim cinco jovens talentos (todos entre 23 e 26 anos) recrutados na Escola Nacional de Circo de Montreal, no Canadá. Quatro deles (Francisco Cruz, Raphael Cruz, Brad Henderson e Will Underwood) vieram do San Francisco Circus Center, nos EUA, e a única garota do grupo, Héloïse Bourgeois, é uma parisiense com formação curiosa: 15 anos de equitação e 10 de trampolim, além de balé clássico e interpretação.



O espetáculo, que tem números de acrobacia chinesa, equilíbrio com as mãos e poste, entre outros, foi criado pela Les 7 Doigts em 2006 especialmente para os artistas. Suas apresentações já receberam boas críticas em países como Estados Unidos, Alemanha, Japão, França, Canadá, Corea, Escócia, Irlanda e Alemanha.

Além de "Traces", sua criação mais conhecida, a Les 7 Doigts de la Main já montou "Loft", em que sete pessoas (os fundadores do grupo) se entretêm umas às outras com objetos comuns de um loft. Foi o primeiro espetáculo da companhia, de 2002. Em julho de 2007, em Nova York, estreou "La Vie", um espetáculo sobre a insanidade e a morte que a companhia classifica como "divertido e muito sexy".

Outro dos trabalhos da Les 7 Doigts é o "Fibbonaci Project", um "work in progress" em que companhias de diferentes locais do mundo se unem para criar um espetáculo colaborativo. Em janeiro de 2007, a primeira etapa do projeto aconteceu com a Cirko De Mente, no México; em maio de 2008, com a Artcirq, de Igloolik, extremo norte do Canadá; em julho deste ano, voltou a Montreal.


fonte:UOL

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.