quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Há gosto pra tudo

Grupo francês quer descriminalizar nudismo em locais públicos


Uma associação na França quer descriminalizar a prática do nudismo em espaços públicos como parques, florestas e montanhas.

A intenção da Associação para a Promoção do Naturismo em Liberdade (Apnel, na sigla em francês) é fazer com que a nudez deixe de ser caracterizada como exibicionismo sexual, pelo menos fora dos centros urbanos.

“Queremos que os naturistas não sejam mais obrigados a freqüentar somente colônias de férias especializadas, onde eles ficam limitados a um espaço geográfico preciso”, disse à BBC Brasil Sylvie Fasol, presidente da Apnel.

O exibicionismo sexual em qualquer lugar acessível aos olhares do público é considerado crime pelo Código Penal francês e a prática prevê pena de um ano de prisão e 15 mil euros de multa (cerca de R$ 22 mil).

“A lei francesa é ambígua. Uma pessoa que caminha nu em um espaço público não deve ser classificada obrigatoriamente de exibicionista sexual. Queremos que a nudez se torne algo banal”, diz a presidente da Apnel.

Direitos

Os membros da associação esclarecem que não estão reivindicando o direito de caminhar nus pelas ruas das cidades, mas desejam fazer passeios e caminhadas por trilhas em campos e montanhas, mesmo em áreas turísticas, sem correr o risco de serem presos.

Fasol conta que a Apnel foi criada há cerca de um ano justamente para prestar auxílio financeiro a uma pessoa que havia sido presa por passear nu na natureza.

Atualmente a associação conta com 110 membros que pagam a anuidade, além de vários simpatizantes do movimento que participam dos eventos realizados pelo grupo.

Entre as atividades elaboradas pela Apnel estão vários passeios na natureza organizados anualmente por diferentes membros da associação, espalhados por toda a França. As atividades ocorrem entre os meses de abril e outubro, quando as temperaturas permitem a prática do nudismo.

Alguns membros da organização já foram abordados pela polícia militar durante esses passeios. “Mas como estávamos em família, havia inclusive crianças, ninguém foi preso”, conta Fasol.

Público

A presidente da associação afirma que de forma geral, a reação do público ao encontrar com os nudistas durante essas caminhadas - chamadas de “têxteis” pelos ativistas - é de surpresa e estupefação, mas ela afirma que nunca houve nenhum tipo de incidente.

“Não nos escondemos deles na primeira moita que aparece, mas nos apresentamos e explicamos os objetivos do nosso movimento. De qualquer forma, temos sempre uma peça de roupa ao alcance da mão em caso de necessidade”, diz ela.

“Dialogamos com as pessoas que encontramos durante os passeios e sentimos, de uma forma geral, que o público está disposto a aceitar essa forma de liberdade”, afirma a presidente da Apnel.

n.r.: Bem, eu reservo-me ao direito de só querer ver pelado quem estou a fim. Minha visão é muito sensível.


fonte:BBC Brasil

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.