quinta-feira, 10 de julho de 2008

Perdidamente...

Serei repetitiva, porque já escrevi aqui algumas poesias de Florbela Espanca, porque já escrevi sobre esta poesia, porque já comentei sobre essa música e sobre Luis Represas. Ando melancólica... culpa de um espírito prá lá de sensível que me prega peças uma vez ou outra, e por isso andarei uns dias assim e como acredito que para me sentir melhor ou para me sentir mais leve, eu deva partilhar esse estado d'alma quero que ouçam essa música lindíssima que Luis Represas gravou há muito tempo atrás.



Perdidamente...

Ser poeta é ser mais alto.
É ser maior do que os homens
Morder como quem beija
É ser mendigo e dar como quem seja.
Rei do reino de áquem e de além dor!
É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor.
É ter fome, é ter sede de infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito.
E é amar-te, assim, perdidamente...
E é seres alma, e sangue, e vida em mim.
E dizê-lo cantando a toda a gente.




fonte:YouTube e minha melancolia

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.