quarta-feira, 25 de outubro de 2006


Acordares


Acordei e encontrei o teu cheiro, não a ti porque tinhas já saído. Mas deixas sempre o teu cheiro para me acordar, para eu rolar para o teu lado da cama, ainda quente, as marcas da tua cabeça na almofada, as marcas do teu corpo nos lençóis e uma das pontas está mais amachucada, foi essa a ponta que prendeste e cerraste na mão, enquanto a minha boca te procurava e apagava de ti os vestígios do dia, das horas, do tempo que não foi meu …
E no lençol ficou marcado o grito que a tua mão soltou, quando no teu corpo só estava eu, e nada mais sabias senão da minha boca, e nada mais havia senão a vontade do teu corpo, que se levantava ao meu encontro, e agitavas a cabeça marcando a almofada...E deixavas cheiro e calor para eu te encontrar ao acordar.



Encandescente
Tarsila do Amaral - "Sono"

0 comentários:

Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.