quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Vingança





Muitas frases espirituosas já foram escritas a respeito de vingança. Gosto de uma que diz:"Contra quem lhe tomou a esposa, não existe vingança melhor do que o infeliz ficar com ela pra sempre." Vale para ambos os sexos, acrescento.

A vingança é uma atitude de mau humor, e o mau humor pode ser risível. Eu, ao menos, acho engraçado que alguém perca tempo se dedicando a se vingar de quem quer que seja, deixando claro o quanto se sentiu ofendido. Há vingança melhor do que não dar a mínima?

Mas, para a maioria das pessoas, é difícil ficar indiferente diante de uma situação que, a priori, causou prejuízo. Até o Velho Testamento cita o "olho por olho" como forma de sanar o dano causado. Toma lá, dá cá. Aqui se faz, aqui se paga. O.k., mas é um desperdício de energia.

Não chego ao cúmulo de oferecer a outra face, que isso é coisa para santo. Perdoo, mas me blindo. Se aprontou uma vez, aprontará outra. Fico na minha, me fortaleço e trato de viver cada dia melhor - nada irrita mais nossos inimigos.

Pesquisas indicam que as mulheres são mais vingativas do que os homens, o que não enobrece a classe. Transar com outro, sem estar a fim, só porque fomos traídas? Roubar o namorado da amiga porque ela ficou com nosso emprego? Espalhar boatos pela internet porque alguém foi desleal? É a confirmação de nossa pequeneza, que passa a se igualar à pequeneza de quem falhou conosco.

Felizmente, o caso da iraniana Ameneh Bahrami contraria as pesquisas. Um mês atrás ela perdoou o homem que lhe jogou ácido no rosto, cegando-a. Ela o salvou minutos antes dele próprio ter os olhos corroídos por ácido no hospital de Teerã. O médico já estava com o material na mão para consumar a vingança (autorizada pelas leis islâmicas). O agressor estava de joelhos, aos prantos, aguardando o pior, quando chegou o telefonema com o perdão da vítima. Por que Ameneh desistiu de pagar com a mesma moeda? Sei lá, talvez porque não foi um filho dela que o maluco cegou (mexam com nossas crias e bye bye superioridade), mas o mais provável é que o mal nunca tenha feito parte de sua natureza. Ela não quis ser como ele.

Dizem que se vingar dá uma sensação agradável, que a vingança é doce, traz consolo, segurança. Estão aí os defensores da pena de morte para confirmarem o júbilo que a vingança provoca. Eu sigo achando que lutar por justiça é um dever, mas se vingar é tosco. Só é aceitável quando o destino é que se vinga por nós, sem que a gente suje as mãos. Há que se confiar na providência divina.

Já a vingança planejada é uma infantilidade que só confirma o quanto o outro nos abalou. Prefiro não dar esse gostinho.


. . .


Eu concordo, e você?




Martha Medeiros

2 comentários:

Aislan disse...

muito bom texto viu
era exatamente o que eu estava
precisando ler.
também tenho um blog
pode espiar se quiser
http://pensamentosloucospensamentos.blogspot.com/
tudo de bom para você!!!!!!!

Cris Caetano disse...

:)

Mais tarde passo lá pra espiar. Obrigada pela visita e pelo comentário.

Abraços

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.