quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Inocência






Com o passar do tempo me dei conta que perdi um bocado da inocência. Não que eu fosse inocente com essa idade toda, mas havia ainda uma certa pureza, e a pureza é sempre bonita. Não sei se culpo a vida... melhor não culpar nada nem ninguém.

Só sei que hoje enxergo, com muita clareza, o que antes não enxergava de jeito algum.

6 comentários:

Luis Eme disse...

a vida é assim, Cris.

ainda esta semana me chamaram inocente (acho que me queriam chamar parvo...)e ingénuo, e já estou quase nos cinquenta...

a "deformação humana" é tal que há quem não acredite que ainda há pessoas que lidam com os outros de uma forma aberta, sem estar à espera de nada.

bem dita inocência que começa a fugir.

beijos quérida

Cris Caetano disse...

Pois é, Luis... já fui confundida por tola (ou parva), algumas vezes, pelo mesmo motivo. Enfim, dá uma certa melancolia sentir que já resta muito pouco ou quase nada.

Beijos, querido

Maria disse...

A isso eu chamo 'crescimento'.
Havendo um tempo para tudo na vida, deixou de ser tempo para a ingenuidade e passámos ao tempo de encarar a vida tal como ela é.

Beijinho, Cris.

Cris Caetano disse...

Ou seja, muito dura... :/

Beijão, querida!

Georgia disse...

Tb tenho esse sentido. Mas tenho outro sentido de perceber que em determinadas situacoes se eu nao tivesse sido tao inocente, minhas atitudes poderiam ter sido melhores.

Fazer o que né, é a vida...

Bjao

Cris Caetano disse...

Ah, sem dúvida, Ge...

Beijão

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.