terça-feira, 29 de agosto de 2006

Pontos nos "is"

Depois da notícia do mensalão, o que causou grande impacto mais uma vez esse ano foram os comentários que saíram do cérebro e boca de alguns artistas que se reuniram na casa do Ministro Gilberto Gil em apoio à reeleição do presidente Lula.

Então, "a ética seria uma grande bobagem, política se faria com as mãos sujas e seria absolutamente normal, porque sempre foi assim e qual é o espanto se continua a ser?" É difícil que alguém compreenda o que se passa na cabeça de alguns seguidores do Partido dos Trabalhadores, o PT. Acho muito doido!

Imaginem, que todo brasileiro leu ou soube por alguém do que foi dito na tal reunião e ficamos assim, ó, de boca aberta, com a cara no chão sem entender nada. Como alguém compõe "Coração de Estudante" num belo dia e muitos anos depois apaga tudo com uma frase de arrepiar? Não existem mais os princípios morais? Os fins justificam os meios? O impensável aconteceu. Estou abestalhada e quanto mais leio sobre o efeito das frases, pior fico.

Gosto do Arnaldo Jabor, mesmo que não concorde sempre com ele. Acho que hoje, pelo menos para mim, senti que ele colocou os pingos nos "is", deu nome à coisa. Nada alivia a minha desesperança, mas fiquei rendida ao inevitável. Nada mais a pensar ou tentar entender. Ponto final.

E para quem não sabe, vale a curiosidade: Jabor, que estudou no Colégio Santo Inácio e na PUC, também foi integrante da UNE. Mas vamos a isso:


"A reunião dos intelectuais e artistas com Lula, no Rio, destampou a panela da verdade. Quando dizem: "Os fins justificam os meios, mensalão não é crime" ou "Não estou preocupado com a ética do PT nem com qualquer ética. Isso não interessa; eu acho que o PT fez o que tem de fazer para governar o país...", esses bravos criadores de arte e pensamento estão à luz do dia, num ato falho espetacular, a verdadeira ideologia que orienta o PT.

Os petistas do governo ficam enrolando e, aí, vêm uns artistas ingênuos e abrem o jogo cuidadosamente escondido. Prestaram um serviço à verdade, porque muita gente boa repete, como robôs de Lula: "Sempre foi assim, corrupção endêmica, sobras de campanha, houve erros éticos, todos os partidos fizeram isso..."

Esta falsa explicação é enlouquecedora, porque ilude, elide a verdade meridiana que é a seguinte: não foi apenas um desvio "ético" ou uma "roubalheira tradicional". Não. Foi um plano armado para mudar o Estado por dentro, por um bando de sujeitos que se consideram "superiores" à nós, com a "missão" de usar a democracia para apodrecê-la. Ideólogos ignorantes e narcisistas tentaram mais uma "revolução" ridícula. Aliás, erram sempre e continuarão a errar. No entanto, é espantoso que gente que estudou e que come continue a achar que foi "caixa 2 ou desvio ético de alguns companheiros". A barra foi muito mais pesada. E pode voltar a ser.

Os quadrilheiros do governo não são de esquerda, não; são de direita, autoritários. Não só desviaram bilhões de reais de aparelhos do Estado, de fundos de pensão, por contratos falsos , mas roubaram também nossos mais generosos sentimentos. E não é só a mentira que indigna. É a arrogância cínica com que mentem. E a mentira vai se acumulando como estrume e acaba convencendo muitos ingênuos.

Sempre houve corrupção no Brasil? Claro que sim, mas o ladrão tradicional sabia-se ladrão, roubava em causa própria e se escondia pelos cantos para não ser flagrado. Os ladrões desse governo roubam de testa erguida, como se estivessem fazendo uma "ação revolucionária". Dizer que "sempre foi assim" é burrice ou má-fé".

E depois, Arnaldo Jabor também escreve: "Não tem papo. Lula está reeleito." Eu também acho.




fonte: Arnaldo Jabor in Segundo Caderno do "O Globo".

0 comentários:

Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.