domingo, 24 de março de 2013

Analfabetismo Funcional



Analfabeto funcional é a denominação dada à pessoa que mesmo capacitada a decodificar minimamente as letras, geralmente frases, sentenças, textos curtos e os números, não desenvolve habilidade de interpretação de textos e de fazer operações matemáticas. Também é definido como analfabeto funcional o indivíduo maior de quinze anos possuidor escolaridade inferior a quatro anos letivos, embora essa definição não seja muito precisa, já que existem analfabetos funcionais detentores de nível superior de escolaridade.

Segundo dados de 2005 do IBOPE, no Brasil o analfabetismo funcional atinge cerca de 68% da população (30% no nível 1 e 38% no nível 2). Somados esses 68% de analfabetos funcionais com os 7% da população que é totalmente analfabeta, resulta que 75% da população não possui o domínio pleno da leitura, da escrita e das operações matemáticas, ou seja, apenas 1 de cada 4 brasileiros (25% da população) é plenamente alfabetizado, isto é, está no nível 3 de alfabetização funcional.

Em 2012, o Instituto Paulo Montenegro e a ONG Ação Educativa divulgaram o Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf) entre estudantes universitários do Brasil e este chega a 38%, refletindo o expressivo crescimento de universidades de baixa qualidade durante a última década.

Esses índices tão altos de analfabetismo funcional no Brasil devem-se à baixa qualidade dos sistemas de ensino público, à falta de infraestrutura das instituições de ensino (principalmente as públicas) e à falta de hábito e interesse de leitura do brasileiro. Em alguns países desenvolvidos e/ou com um sistema educacional mais eficiente, esse índice é inferior a 10%, como na Suécia, por exemplo. (Wikipédia)


. . . 
 
Eu não costumo ser pessimista, mas eu tenho convivido com uma realidade difícil de engolir, o anafalbetismo funcional. No Facebook é possível acompanhar algumas notícias dos principais jornais do país e de uns tempos pra cá resolvi ler os comentários que são feitos a partir da notícia e posso afirmar que fiquei assustada, a falta de compreensão das pessoas é impressionante, algumas distorcem de maneira tal que é normal ver comentários agressivos sobre algo que em hipótese alguma foi mencionado na notícia e é assustador parar para pensar sobre o prejuízo de uma interpretação distorcida, seja qual for o assunto. 

Eu paro para analisar e tentar entender como elas conseguem chegar a conclusões tão absurdas e me sinto totalmente incapaz. Algumas pessoas que se chocam como eu fazem comentários que eu faria, eu não faço, tenho certeza que é pura perda de tempo.

Infelizmente, anos de descaso com a educação de base levaram a isso. Há tempos atrás, ainda na época que eu estava no período escolar, a educação de base nas escolas públicas começava a se degradar e continuou a piorar até os dias atuais. 


Temo pelo futuro do meu país, os comentários estapafúrdios que leio são escritos por pessoas com mais de 25 anos e como o ensino no Brasil está cada vez pior, o futuro é grave. O futuro de um país não se constrói com apenas 25% da população. As notas altas de algumas redações que fugiam do tema proposto e se tornaram um escândalo no último ENEM demonstram o descaso do Ministério da Educação com o ensino, confirmando que notas são dadas por acaso.

É preciso fazerem alguma coisa urgentemente. É de total responsabilidade do Governo Federal, Estadual e Municipal o que verificamos no ensino pífio que o Brasil disponibiliza. Há anos os governos não fazem nada (e continuam não fazendo) pela educação no Brasil. 



fonte: Wikipédia

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.