quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Eugénio





Creio que foi o sorriso,
o sorriso foi quem abriu a porta.
Era um sorriso com muita luz
lá dentro, apetecia
entrar nele, tirar a roupa, ficar
nu dentro daquele sorriso.
Correr, navegar, morrer naquele sorriso.

Eugénio de Andrade


fonte: Não resisti e peguei da minha amiga Maria.

2 comentários:

Luis Eme disse...

escolheste muito bem a fotografia para "colorir" o poema de Eugénio.

Beijos para ti, Cris, e para a Maria

Cris Caetano disse...

:)

Beijos, Luis

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.