quarta-feira, 29 de maio de 2013

A Adiada Enchente






Velho, não.
Entardecido, talvez.
Antigo, sim.

Me tornei antigo
porque a vida,
tantas vezes, se demorou.
E eu a esperei
como um rio aguarda a cheia.


Mia Couto - Prêmio Camões 2013


n.e.: Volto ao blog na 2a feira


terça-feira, 28 de maio de 2013

Tratar de ser feliz






fonte:Tati Bernardi é escritora, roteirista e publicitária

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Xô!





domingo, 26 de maio de 2013

Cute que se farta




Ah, se eu pudesse materializar a imagem...


Eu surto com essas coisas



Estou eu, lendo tranquilamente meu jornal hoje e meus olhinhos não acreditam naquilo que lêem, o título da matéria do O Globo é "Rio terá sinalização especial para megaeventos", mas o que fez meus olhinhos saltarem das órbitas foi a notícia do subtítulo, "Informações também para os moradores da cidade". Segue abaixo a notícia que me deixou perplexa.

"O secretário municipal de Turismo, Antônio Pedro Figueira de Mello, acrescentou que a sinalização também vai ajudar a orientar os moradores da cidade. Isso porque parte do material indicará horários de jogos da Copa das Confederações e a agendas da Jornada da Juventude, além de fazer recomendações para que o carioca evite o transporte público em determinados períodos. Em Londres, a campanha ajudou a evitar o caos no metrô durante as Olimpíadas de 2012. Parte do material estimulava, por exemplo, os britânicos a caminharem para queimar calorias."






Concluindo, a cidade não tem condições de receber eventos de grande porte e a solução é que cariocas andem a pé, ficando os turistas com o transporte público, andar a pé é bom para queimar calorias, conforme indicado aos britânicos nas Olimpíadas de 2012. Mas eu acho que o Secretário Municipal de Turismo gostaria mesmo é que todos nós ficássemos em casa, isso sim o deixaria tranquilo e feliz.


fonte: O Globo - Rio terá sinalização especial para megaeventos

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Sambô



Que eu sou vidrada em música, acho que todo mundo sabe, que eu curto gêneros musicais diversos, acho também que todo mundo sabe. Mas que estou fascinada pelo Sambô é praticamente uma novidade, não é? Espero, caso contrário fica taxada aqui a minha transparência.

Encontrei o DVD completo no Utube, divirtam-se!





quarta-feira, 22 de maio de 2013

O Laço e O Abraço






Meu Deus! Como é engraçado!
Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço... uma fita dando voltas.
Enrosca-se, mas não se embola, vira, revira, circula e pronto: está dado o laço.
É assim que é o abraço: coração com coração, tudo isso cercado de braço.
É assim que é o laço: um abraço no presente, no cabelo, no vestido, em qualquer coisa onde o faço.
E quando puxo uma ponta, o que é que acontece?
Vai escorregando... devagarzinho, desmancha, desfaz o abraço.
Solta o presente, o cabelo, fica solto no vestido.
E, na fita, que curioso, não faltou nem um pedaço.
Ah! Então, é assim o amor, a amizade.
Tudo que é sentimento. Como um pedaço de fita.
Enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço. Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade.
E quando alguém briga, então se diz: romperam-se os laços.
E saem as duas partes, igual meus pedaços de fita, sem perder nenhum pedaço.
Então o amor e a amizade são isso...
Não prendem, não escravizam, não apertam, não sufocam.
Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço.




Mario Quintana

Uma pergunta



O que leva uma pessoa a inventar coisas sobre outra? Qual o motivo da maledicência?

terça-feira, 21 de maio de 2013

Bora desejar!





Que tal abrir a porta do dia, dia
Entrar sem pedir licença
Sem parar pra pensar
Pensar em nada...

Legal ficar sorrindo à toa, toa
Sorrir pra qualquer pessoa
Andar sem rumo na rua

Pra viver e pra ver
Não é preciso muito
Atenção, a lição
Está em cada gesto
Tá no mar, tá no ar
No brilho dos seus olhos
Eu não quero tudo de uma vez
Eu só tenho um simples desejo

Hoje eu só quero que o dia termine bem


segunda-feira, 20 de maio de 2013

Reflexo





Não tenho a menor dúvida disso, como tratamos os outros é um reflexo da nossa vida. Todos temos problemas, mas como os encaramos refletirá aquilo que somos, pessoas amargas com sua própria vida em algum momento jogarão suas frustações em cima do outro, e percebemos isso na nossa convivência diária com um cem número de pessoas. Ser magoado e em reação magoar outra pessoa não é uma boa maneira de estar na vida. Por que algumas são sempre tão gentis e outras não? A resposta está dentro de você.

foto: PsicOnlineBrasil

domingo, 19 de maio de 2013

Eu disse que não me importaria mais...

mas é difícil!



Li hoje na coluna do Ancelmo Gois:

Paes aperta o cerco
Cláudio Ferraz, o delegado que coordena a área de transporte complementar do Rio, anuncia amanhã novas áreas da cidade onde vai ser proibida a circulação de vans.
A partir de sábado, vias como Linha Amarela, Estrada Grajaú-Jacarepaguá, Estrada de Furnas, no Alto da Boa Vista, e Túnel da Grota Funda serão interditadas às vans.

Tem mais...
Agora, Flamengo, Glória e Catete também estão entre os bairros onde vans não entrarão.

Eu não ando de van, mas em algumas localidades do Rio de Janeiro, a van, que seria o transporte alternativo, é o único existente para atender às necessidades da população. E o Sr. Prefeito, me parece, está se lixando para a vida de uma centenas de famílias, já que um belo dia, no passado recente, ele autoriza a circulação de vans pela cidade e num outro belo dia, ele decide que não quer mais. Agora imaginem aquele cidadão que empenhou suas economias para virar um empresário e que num dia acorda e percebe que jogou suas economias no lixo, já que não terá alternativas. Ninguém vai comprar um veículo que não pode circular pela cidade, porque a cada dia é uma surpresa, o Sr.Prefeito decide, de rompante, que elas não poderão circular nos lugares onde antes podiam. E daí que várias pessoas fiquem desempregadas e sem um meio de sustento? Somos todos palhaços mesmo...


fonte:Ancelmo Gois

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Bom djia, djia!

Se joga que hoje é sexta!


quinta-feira, 16 de maio de 2013

Novo método para conseguir votos:

Afague meu ego





O jeito de falar do carioca, com todos seus nuances, seu ritmo, o X no lugar do S, é motivo de orgulho para quem nasceu aqui e faz questão de quando encontra um paulista puxar mais ainda o sotaque. Afinal, no Teatro e na música é o sotaque carioca o oficial do Brasil.

Pois agora o sotaque carioca pode se tornar Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial da Cidade do Rio de Janeiro. É o que prevê projeto de lei apresentado pelo vereador Cesar Maia (Democratas) à Câmara dos Vereadores.

Nas justificativas Maia destaca que o sotaque carioca é parte integrante fundamental da identidade dos moradores do Rio de Janeiro. O carioca aprecia o seu próprio sotaque. Sendo assim, a pronúncia dos cariocas têm caráter e importância local e global.

n.e.: O Rio de Janeiro está bem servido com os Vereadores que tem, ninguém sabia que o sotaque carioca é parte integrante da identidade dos cidadãos que nela vivem e nasceram. Este tipo de projeto de lei é realmente tudo o que faltava pra cidade, vai que um gringo aprende o carioquês e leva embora com ele.


fonte e texto:Diário do Rio

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Palavra de ordem: Agir



Ultimamente os jornais na TV tem nos passado notícias, através de vídeos, de agressões nas escolas. Alunos agredindo professores, professores agredindo alunos e além de achar um grande absurdo o festival de agressões, eu sempre me pergunto: Quem filmou aquilo? Por que ao invés de filmar não agiu? Por que não chamou por ajuda, por que não interveio? Taí abaixo a explicação. Vamos mudar isso, por favor? Vamos agir mais - em qualquer situação - e observar menos, ok?



segunda-feira, 13 de maio de 2013

Nossa Senhora de Fátima



Somos amigas há mais de 20 anos, quando cheguei à Portugal fui logo lhe fazer uma visitinha porque estava com saudades, a tinha visto quando esteve passeando no Brasil. Hoje deixo-lhe um abraço e um beijinho porque sei que ela gosta.



quarta-feira, 8 de maio de 2013

Poema






Quer saber mais? Aqui ó: Revista Tudo e Etc





fonte: Objetos Inanimados

Violência Urbana

Os ânimos pululam, as pessoas desistiram de racionalizar, culpa da violência constante? Talvez, mas não podemos esquecer que a polícia não pode fazer o papel do bandido, esperamos que tenham ações de inteligência para que os danos a pessoas inocentes sejam o menor possível ou nenhum. Há pessoas honestas e inocentes vivendo nas favelas do Rio de Janeiro. Segue abaixo a declaração de Marcelo Freixo, com a qual concordo, com relação à notícia do momento: A ação policial que levou à morte um traficante do Rio de Janeiro.

"O que estamos defendendo é que se tenha controle legal sobre as ações de quem responde pelo Estado. Que aja conforme o interesse público. Porque hoje se mata um traficante e a amanhã pode matar qualquer pessoa. Não se trata de uma defesa de um traficante ou outro. O tráfico é cruel, é violento e massacra a vida dessas comunidades, mas o Estado não pode competir com o tráfico de quem tem mais capacidade de ser violento. Tem algo que diferencia o Estado e o crime, que é a nossa necessidade de cumprirmos a lei. E esse episódio precisa ser investigado. Por que o helicóptero estava sozinho, já que não tinha operação por terra? Por que os tiros são dados colocando a vida de terceiros em risco? Não podemos permitir isso. Uma operação como essa jamais aconteceria em outro território que não fosse uma favela da Zona Norte ou Zona Oeste do Rio. A dignidade das pessoas não pode ter CEP. O tráfico é bárbaro, tem que ser enfrentado, mas o Estado não pode abrir mão do seu papel legal. Nós queremos uma política de segurança pública eficaz, que os policiais sejam valorizados, mas que garanta direitos e, acima de tudo, seja comprometida com a dignidade humana", afirmou Marcelo Freixo.

terça-feira, 7 de maio de 2013

A coisa tá braba...






fonte: Chow Hon Lam - designer gráfico

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Metrô de Roma - O impossível tornado possível

Ou, Como Preservar o Passado




Em Roma, o que seria incrível e difícil de concretizar, tornou-se possível… sempre com uma equipa de “cirurgiões” por perto. Desde os anos 30 até à actualidade, o metropolitano ganhou forma, ainda inacabada, numa das cidades com mais património histórico considerado do mundo. O planeamento da obra sofre mais um desvio, à medida que o subsolo desvenda achados que não são surpresa. Mas “escavar” o passado traz sempre surpresas…

Um metrô na “cidade eterna”

A história, a cultura e o desenvolvimento de Roma anunciavam, desde há décadas, o surgimento de um meio de transporte como o metropolitano. A Roma moderna que guarda, em si, os “pilares” da Roma Antiga (a descoberto e debaixo do solo), bem como as crescentes filas de trânsito e o modo reconhecidamente “diferente” (ou desviante) de os romanos conduzirem na cidade, viriam a tornar o metro uma boa solução de transporte.

A ideia de dar corpo ao metrô de Roma começou nos anos 30 e a sua construção, nessa década, teve como principal motivo providenciar uma ligação rápida entre a estação central “Termini” e um novo bairro da cidade, “E42” ou “Esposizione Universale Roma” (“EUR”), onde se realizaria a Exposição Universal de 1942. A capital fora da capital para o fascismo italiano de Benito Mussolini. Com ele, a Itália entrara na II Guerra Mundial pelo lado da Alemanha nazi.

Com o início da guerra, em 1939, a exposição não se realizou, apesar dos túneis e de outras infra-estruturas construídas aquando da interrupção das obras, entre a estação “Termini” e a “Piramide”. Devido às circunstâncias, tais túneis acabaram por ser usados como refúgio face aos ataques aéreos, ou outros vindos do exterior. Para essa exposição, teriam sido projectados monumentos relacionados com o passado histórico da Roma Imperial, antiga, tais como o “Palazzo della Civiltà”, um Coliseu com um formato cúbico, um obelisco a Guglielmo Marconi e um Arco do Triunfo cuja construção não se iniciou.

No âmbito não só do metropolitano de Roma mas dos restantes transportes da cidade em geral, a já referida estação “Termini” ganhou relevância por ser ali que eram centralizadas as partidas e chegadas de/a Roma - ao contrário de Paris, onde as gares de l’Est, du Nord e a estação de Austerlitz, por exemplo, redistribuem os serviços de transporte.

A estação tinha sido inaugurada, primeiramente, pelo Papa Pio IX (ainda quando o Papa detinha o poder temporal da cidade), em 1863, e esteve para ser chamada de “Estação Central dos Caminhos-de-Ferro Romanos”. Devido à exposição universal, como já referimos, também foi decidida a substituição desta primeira estação central por uma nova, em 1937 - projecto interrompido pela guerra. Terminados os esforços de guerra e a estabilização do funcionamento do próprio país, as obras foram retomadas. Só no início do ano de 1955 é que viria a ser inaugurada a primeira linha de metro; a segunda linha chegou 25 anos depois. Até ao final do século XX, a rede de metro alargou-se um pouco mais para além da cidade de Roma. Actualmente, encontra-se em construção a futura linha C que se previa estar concluída, na totalidade, em 2015. Ainda em fase de planeamento está uma futura linha D.

A cultura material que dá sentido ao património histórico romano existente vai entravando o crescente desenvolvimento da contemporaneidade utilitária e, também, artística (não haverá arte neste género de construções?). É nestas escavações e obras que, rapidamente, verificamos a ligação entre o medieval, o renascentista e as necessidades do contemporâneo. Relacioná-las, sem prejuízos, torna-se em Roma um verdadeiro desafio, maior do que mexer num subsolo com mais de 2000 anos de história reconhecida.

Encarou-se como inovador a passagem de carruagens de metro ao lado de estruturas antiquíssimas, numa tentativa de contrastar as feições de um tempo que nos parece intemporal sempre que observamos tais achados arqueológicos, mas a preocupação de conservar o histórico obrigou a refazer trajectos projectados do metropolitano, com “curvas” e profundidades superiores às esperadas. Contudo, tal processo, mais do que uma equipa experiente e competente de arqueólogos, necessitou de uma equipa de “cirurgiões” que conseguissem, com autênticas “réguas e esquadros”, conciliar, num só solo, temporalidades distintas. Fora os riscos que se podem correr - como por exemplo, o de fazer passar uma carruagem “vibrante” por baixo do Coliseu.

O tesouro histórico e artístico é um conjunto de segredos que o solo romano esconde mas que, no fundo, não são surpresa. Ainda assim, em Agosto deste ano divulgou-se a notícia de uma descoberta pouco convencional: um antigo espaço de cultivo de cannabis num túnel de metro abandonado, no sudeste de Roma, decorrente do fascismo italiano. Oficialmente, era uma “quinta” de cogumelos, mas o odor a marijuana, segundo a Agência Reuters, desmascarou-a.

fonte e texto:Obvius
foto:Fragmento de parede na estação Termini (Wikicommons, Notafly).

domingo, 5 de maio de 2013

Medicina reconhece obsessão espiritual








Dr. Sérgio Felipe de Oliveira com a palavra:


"Ouvir vozes e ver espíritos não é motivo para tomar remédio de faixa preta pelo resto da vida... Até que enfim as mentes materialistas estão se abrindo para a Nova Era; para aqueles que queiram acordar, boa viagem, para os que preferem ainda não mudar de opinião, boa viagem também...

Uma nova postura da medicina frente aos desafios da espiritualidade.

Vejam que interessante a palestra sobre a glândula pineal do Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, médico psiquiatra que coordena a cadeira de Medicina e Espiritualidade na USP:

A obsessão espiritual como doença da alma, já é reconhecida pela Medicina. Em artigos anteriores, escrevi que a obsessão espiritual, na qualidade de doença da alma, ainda não era catalogada nos compêndios da Medicina, por esta se estruturar numa visão cartesiana, puramente organicista do Ser e, com isso, não levava em consideração a existência da alma, do espírito. No entanto, quero retificar, atualizar os leitores de meus artigos com essa informação, pois desde 1998, a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu o bem-estar espiritual como uma das definições de saúde, ao lado do aspecto físico, mental e social. Antes, a OMS definia saúde como o estado de completo bem-estar biológico, psicológico e social do indivíduo e desconsiderava o bem estar espiritual, isto é, o sofrimento da alma; tinha, portanto, uma visão reducionista, organicista da natureza humana, não a vendo em sua totalidade: Mente, corpo e espírito.

Mas, após a data mencionada acima, ela passou a definir saúde como o estado de completo bem-estar do ser humano integral: Biológico, psicológico e espiritual. Desta forma, a obsessão espiritual oficialmente passou a ser conhecida na Medicina como possessão e estado de transe, que é um item do CID - Código Internacional de Doenças - que permite o diagnóstico da interferência espiritual Obsessora.

O CID 10, item F.44.3 - define estado de transe e possessão como a perda transitória da identidade com manutenção de consciência do meio-ambiente, fazendo a distinção entre os normais, ou seja, os que acontecem por incorporação ou atuação dos espíritos, dos que são patológicos, provocados por doença.

Os casos, por exemplo, em que a pessoa entra em transe durante os cultos religiosos e sessões mediúnicas não são considerados doença. Neste aspecto, a alucinação é um sintoma que pode surgir tanto nos transtornos mentais psiquiátricos - nesse caso, seria uma doença, um transtorno dissociativo psicótico ou o que popularmente se chama de loucura bem como na interferência de um ser desencarnado, a Obsessão espiritual. 



Portanto, a Psiquiatria já faz a distinção entre o estado de transe normal e o dos psicóticos que seriam anormais ou doentios. O manual de estatística de desordens mentais da Associação Americana de Psiquiatria - DSM IV - alerta que o médico deve tomar cuidado para não diagnosticar de forma equivocada como alucinação ou psicose, casos de pessoas de determinadas comunidades religiosas que dizem ver ou ouvir espíritos de pessoas mortas, porque isso pode não significar uma alucinação ou loucura.

Na Faculdade de Medicina DA USP, o Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, médico, que coordena a cadeira (hoje obrigatória) de Medicina e Espiritualidade. Na Psicologia, Carl Gustav Jung, discípulo de Freud, estudou o caso de uma médium que recebia espíritos por incorporação nas sessões espíritas. Na prática, embora o Código Internacional de Doenças (CID) seja conhecido no mundo todo, lamentavelmente o que se percebe ainda é muitos médicos rotularem todas as pessoas que dizem ouvir vozes ou ver espíritos como psicóticas e tratam-nas com medicamentos pesados pelo resto de suas vidas.

Em minha prática clínica (também praticada por Ian Stevenson), a grande maioria dos pacientes, rotulados pelos psiquiatras de "psicóticos" por ouvirem vozes (clariaudiência) ou verem espíritos (clarividência), na verdade, são médiuns com desequilíbrio mediúnico e não com um desequilíbrio mental, psiquiátrico. Muitos desses pacientes poderiam se curar a partir do momento que tivermos uma Medicina que leva em consideração o Ser Integral. Portanto, a obsessão espiritual, como uma enfermidade da alma, merece ser estudada de forma séria e aprofundada para que possamos melhorar a qualidade de vida do enfermo.

Texto de Osvaldo Shimod

Musiquinha pra Domingo



Grande Renato Russo!


sexta-feira, 3 de maio de 2013

Triste, tristinho






Vivemos num mundo triste, adolescentes matam adolescentes para roubarem um celular, delinquentes atiram na cabeça de motoristas que não param ao perceberem que serão assaltados, políticos colocam na pauta da semana: "A Cura Gay", pais dão rifles à crianças de 5 anos, numa óbvia estimulação à violência. E enquanto isso vamos vivendo nesse mundo triste, tristinho, ficando cada vez mais tristes pelas desgraças alheias, e chorando também pelas nossas próprias tristezas, e nos sentimos impotentes,  gritar não adianta nada. Alguém disse que "A Vida É Bela", e em alguns momentos é, quando vemos alguma ação de solidariedade, por exemplo, coisa cada vez mais rara, porque até as relações pessoais podem ser hipócritas, tem sempre alguém querendo tirar vantagem e não se importando com o sentimento do outro.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Até o mundo acabar...





Sucesso



"Procure ser uma pessoa de valor, em vez de procurar ser uma pessoa de sucesso. O sucesso é só consequência."

Albert Einstein
Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.