domingo, 28 de abril de 2013

Saiba quem são os psicopatas de gravata

Especialistas revelam que psicopatas corporativos existem e são mais comuns do que se imagina. Aprenda a identificá-los e enfrentá-los








Embora, erroneamente, a maioria das pessoas pense que psicopatas são sempre os  serial killers, não é assim, a maioria dos psicopatas não matam, mas arrebentam com o emocional ou o financeiro das pessoas. São egoístas, egocêntricos, charmosos e manipuladores.

E sim, já cruzei com dois psicopatas ao longo da minha vida, um deles era um psicopata de gravata. Tempos e situações diferentes, mas não sabia identificá-los. Quando aprendi a identificá-los e comentei o fato com pessoas conhecidas foi engraçado verificar que é difícil aceitar que alguém, mesmo desconhecido, seja psicopata, talvez por ser alguém que tenha participado da vida de uma pessoa próxima e psicopata é coisa de cinema. Mas não é. E sempre que cai nas minhas mãos algum assunto sobre psicopatia eu sinto uma atração óbvia para compartilhá-lo. Saber reconhecê-los para nos protegermos é o pulo do gato.

A principal característica é que sempre são pessoas de uma simpatia ímpar, cativantes mesmo, mas não quer dizer que todo simpático ou simpática seja um psicopata. E levam uma vida normal, obviamente, casam, têm filhos, viajam, enfim, não babam, nem soltam veneno por entre os dentes, os olhos não mudam de cor, nada de sobrenatural. Tudo o que fazem tem o objetivo de levar vantagem, tirar proveito, sentimento zero. Difícil de acreditar mas existem pessoas assim. Todo mundo já ouviu falar em manipuladores, pois é, são os psicopatas.

A matéria da Revista Exame é bastante interessante, são 3 páginas e para quem se interessar há o link da revista no fim do post, é só clicar em cima de "Revista Exame". Segue abaixo uma parte do assunto.



"Estima-se que existam 69 milhões de psicopatas no mundo. Nem todos eles estão nos seriados de TV, em instituições de saúde ou escondidos em suas casas.

Alguns podem estar no seu escritório, dando ordens, ouvindo suas histórias pessoais ou espalhando boatos para os colegas durante a happy hour da firma. No trabalho, psicopatas são atraídos por dinheiro e poder, manipulam pessoas, causam medo, perseguem e prejudicam quem está ao seu redor.

Segundo o psicólogo nova-iorquino Paul Babiak, coautor do livro Snakes in Suits: When Psychopaths Go to Work (em português, "Cobras de terno: quando psicopatas vão ao trabalho"), inédito no Brasil, é quatro vezes mais comum encontrar psicopatas em ambientes corporativos do que na população em geral.

Embora Hollywood associe o psicopata ao assassino, o comportamento das pessoas com esse distúrbio vai muito além de perfis dispostos à matança.

Com charme maquiavélico, eles manipulam os subordinados, os levam a cometer atos antiéticos e são capazes de chantagear sem culpa. "Quando você conhece um, quase gosta dele", diz Paul. "O psicopata consegue criar uma persona que reflete exatamente as coisas nas quais você acredita."

Muitas vezes confundidos com líderes natos por aparentar motivação, capacidade de assumir riscos e esconder habilidosamente suas fraquezas, os psicopatas são hábeis em galgar aos mais altos cargos. "No fundo, tudo o que querem é obter poder e dinheiro à custa da empresa, não se importando realmente com o avanço dela nem com seus colegas", diz Paul.

Neste fim de ano, está sendo lançado no Brasil o livro Trabalhando com Monstros - Como Identificar Psicopatas no seu Trabalho e Como se Proteger Deles (Ed. Fundamento), do australiano John Clarke, doutor em psicologia.

O livro esmiúça as atitudes de um psicopata na corporação, que vão desde roubar ideias dos colegas e assediá-los moralmente até demiti-los injustamente para tornar a vida das vítimas extremamente difícil e dolorosa.

O que faz um psicopata no trabalho?

A primeira característica do psicopata é a falta de consciência, o que o leva a cometer uma série de atos, como:

•     humilhar uma pessoa em público ou ser agressivo com ela;
•   implicar com a pessoa, ridicularizar o trabalho dela, ou qualquer tipo de tortura psicológica;
•   espalhar mentiras maliciosamente a respeito de um profissional para prejudicar sua reputação ou incentivar pessoas a fazer o mesmo;
•   mudar rapidamente de comportamento para manipular as pessoas ou causar elevados níveis de medo;
•  encorajar colegas de trabalho a atormentar, perseguir, molestar e humilhar uma vítima;
•  tratar pessoas de forma desigual, prejudicando subordinados e bajulando chefes e superiores;
•  pedir o cumprimento de tarefas inatingíveis a alguém ou invadir a privacidade dos outros, lendo seus e-mails, arquivos e correspondências para utilizar as informações no futuro como chantagem."


fonte:Revista Exame

2 comentários:

Luis Eme disse...

as coisas que se aprendem aqui.

nunca tinha pensado nessa gente como psicopata, mas sim, basta não terem consciência, serem só eles o mundo.

beijos Cris

Cris Caetano disse...

Normalmente não pensamos. Outra característica é a ausência de culpa. Já ouvi: "não vou me sentir culpado com o que você diz", e não se sentem mesmo.

Beijos e boa semana, Luis

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.