quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Eles voltaram






O título da matéria do Jornal O Globo sobre a volta de Felipão e Parreira à seleção brasileira é praticamente desesperador: "Apelo patriótico: Felipão e Parreira pedem povo ao lado da Seleção."

 
Isto é coisa do Felipão, que usou este mesmo apelo quando dirigiu a seleção de Portugal.

Não é uma crítica minha quando digo que é desesperador. É sabido que os brasileiros ficaram "de mal" com a seleção brasileira enquanto Mano Menezes esteve a frente dela. Mano não se cansava de testar jogadores e a má atuação da equipe se justificava pelo fato de não terem tido tempo de treinarem juntos. Só que esse tempo juntos nunca existia pela mania de testar jogadores. 


Acredito que a facada final foi ter testado, novamente, no último jogo da seleção a seu comando,  jogadores do Fluminense e do Botafogo juntos numa partida que não encheu os olhos de ninguém. Gosto do trabalho do Felipão e do Parreira quando o assunto é seleção, produziram bons resultados, um trouxe o penta e o outro o treta. 

O hexa é um sonho, bem sonho mesmo. Nada é impossível quando se trata de futebol. Com o Mano Menezes, seria.

Mas quem sabe? Não acredito em milagres, mas ao menos acredito que, finalmente, é possível assistir uma boa partida de futebol.


foto: Reuters

Eu te amoamoamoamoamo...






Quero que todos os dias do ano
todos os dias da vida
de meia em meia hora
de 5 em 5 minutos
me digas: Eu te amo.

Ouvindo-te dizer: Eu te amo,
creio, no momento, que sou amado.
No momento anterior
e no seguinte,
como sabê-lo?

Quero que me repitas até a exaustão
que me amas que me amas que me amas.
Do contrário evapora-se a amação
pois ao não dizer: Eu te amo,
desmentes
apagas
teu amor por mim.

Exijo de ti o perene comunicado.
Não exijo senão isto,
isto sempre, isto cada vez mais.
Quero ser amado por e em tua palavra
nem sei de outra maneira a não ser esta
de reconhecer o dom amoroso,
a perfeita maneira de saber-se amado:
amor na raiz da palavra
e na sua emissão,
amor
saltando da língua nacional,
amor
feito som
vibração espacial.

No momento em que não me dizes:
Eu te amo,
inexoravelmente sei
que deixaste de amar-me,
que nunca me amastes antes.

Se não me disseres urgente repetido
Eu te amoamoamoamoamo,
verdade fulminante que acabas de desentranhar,
eu me precipito no caos,
essa coleção de objetos de não-amor.


Carlos Drummond de Andrade


n.r.: Eu "perdoo" porque é de Drummond, mas considero extremamente chato alguém que repetidamente diz "eu te amo". "Eu te amo" não é "bom dia". Diga-me "bom dia" com beijos todos os dias e "eu te amo" quando eu não estiver a espera de ouvir.


foto: Verbo no Infinito


quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Falando Português




As reguinhas são super, hiper, mega fáceis de entender e nunca mais você esquecerá.




segunda-feira, 26 de novembro de 2012

COPA 2014 e seu mascote








Toda Copa do Mundo tem um mascote, o animal escolhido como mascote na Copa que acontecerá no Brasil, em 2014, foi o nosso fofo tatu-bola, que para se proteger se enrola no formato esférico ficando com a aparência de uma bola e é por isso que é assim denominado.








Explicação lógica, animal bem escolhido em função do lugar da Copa e até aí tudo ótimo. Só que... embora o país escolhido seja o Brasil, o nome não poderia ser tão brasileiro, a FIFA decidiu que o nome do mascote deveria ser pronunciável em qualquer país e segue abaixo a lógica da FIFA depois da peneiragem de mais ou menos 450 nomes.

Amijubi: é a união das palavras "amizade" e "júbilo", duas características marcantes da personalidade do nosso mascote e que refletem a maneira de ser dos brasileiros. Além disso, esse nome tão original está ligado ao tupi guarani, em que a palavra "juba" quer dizer amarelo - a cor predominante no mascote.

Fuleco: é a mistura das palavras "futebol" e "ecologia", dois componentes fundamentais da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. O nome do nosso mascote mostra como essas duas palavras combinam perfeitamente e ainda incentivam as pessoas a ter mais cuidado com o meio ambiente.

Zuzeco: foi formado dos elementos principais de "azul" e "ecologia". Azul é a cor dos mares da maravilhosa costa brasileira, dos rios que cruzam o país e do nosso lindo céu. E é também, claro, a cor da carapaça especial do mascote. Ele sabe que pertence a uma espécie vulnerável e por isso, também sabe o quanto é importante divulgar e incentivar a conscientização ecológica entre seus amigos do mundo inteiro.

As pessoas deveriam escolher um dos três e em função do menos pior - pelo que se lê nas redes sociais - foi escolhido o nome FULECO.

Além de ser um nome feio, fulecar existe como verbo e não é coisa boa, é perder no jogo. Enfim, o nome é feio e tatu é de tão fácil pronúncia que não dá para entender essa desculpa da FIFA.



A brincadeira nas redes sociais diz que Fuleco é uma mistura de futebol com timeco, em função da péssima atuação da seleção brasileira.

domingo, 25 de novembro de 2012

Dia Internacional da Não Violência Contra as Mulheres







Vale a pena dizer que a violência psicológica contra as mulheres é agressão emocional tão ou mais grave que a violência física. O outro humilha, deprecia, abalando significativamente a auto-estima da mulher que não percebe que está nas mãos de um manipulador.

Amor não tem nada a ver com estes tipos de comportamento, não dêem desculpas por um mau momento que seu parceiro esteja atravessando e nem o desculpem por estar nervoso. Violência é crime.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Dia do Músico



"Sempre tive a impressão de que a música fosse apenas o extravasamento de um grande silêncio." Marguerite Yourcenar




Fica aqui uma amostra da minha querida Le.



terça-feira, 20 de novembro de 2012

Vida




O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e esfria,
aperta e daí afrouxa,
sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem..


Guimarães Rosa

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Hábitos alimentares






Hoje resolvi desabafar, muito superficialmente, sobre vegetarianos(as). Acho que cada um pode ser o que bem entender e viva a democracia e o livre-arbítrio. Só acho ridículo pessoas que tentam enfiar uma filosofia de vida ou um gosto pessoal pela goela abaixo dos outros.

Acho que quem anda aqui por este bolg, há tempos, já reparou que eu me aborreço com a imposição de idéias e com o preconceito. Eu sempre procuro o equilíbrio, e a ética, a honestidade e o respeito são a base da minha vida, o resto merece alguma maleabilidade.

Portanto, come carne quem quer, não come quem não está a fim e podemos todos ser felizes com hábitos distintos. Mas acho extremamente contraditório quem acredita que os animais tem carma (ou karma) e não os comem e abrem exceções para peixes e ovos. Pobres peixinhos... na próxima encarnação você poderá encarnar como um peixe e ser comido por seu próprio bisneto.

Não, realmente não creio nisso, acredito que o ser humano está num processo evolutivo, portanto mesmo crendo na reencarnação, não acredito que na próxima eu poderia ser um porquinho, um peixinho ou uma barata e que em função disso não posso comer animais, nem pisar numa nojenta barata.


Vira e mexe eu reclamo de alguma coisa por aqui, sei que não é muito agradável, mas caramba, vamos nos importar com o que tem realmente alguma importância? O que é bom pra mim, não necessariamente é bom para outra pessoa e nem por isso significa que ela esteja no caminho errado.

Mas... em homenagem a este assunto, hoje irei saborear uma maravilhosa feijoada, com rabinho, pezinho, costela, paio e tudo o que tenho direito, acompanhada de uma cerveja geladíssima.

sábado, 17 de novembro de 2012

Paulinho da Viola



Era um Carnaval de um ano qualquer, eu bem pequenininha - menor que a carrocinha de cachorro quente - quando olhei pra cima porque alguém mexia na minha cabeça. Era Paulinho da Viola, sorridente e simpatissíssimo. Foi esta a primeira impressão que ele me deixou.

A este grande músico, meus parabéns pelos 70 anos de vida. 






fonte:

Hoje é dia de língua portuguesa



Vocês já devem ter passado pela seguinte situação: quando alguém para enfatizar uma negação diz,

"Não! Ene, a, o, til!"

Não levem isto ao pé da letra ou vocês escreverão: naõ.

O modo formal e correto seria dizer: ene, a, til, o - não.

Falem da maneira informal se quiserem, mas escrevam corretamente, ok? A língua portuguesa agradece.


terça-feira, 13 de novembro de 2012

Desperdício





‎(...) porém como dizia Clarice Lispector,
“Um dia tinha se passado vinte anos”
Um dia terão se passado quarentas anos,
cinqüenta anos,
e a gente não vai nem saber que viveu,
por que viveu , como continua vivendo.
“Desperdício”
é uma das palavras que mais detesto em nossa língua
e em nossa realidade, desperdício de comida,
de dinheiro,
de esforço,
e de vida.
Desperdício dos afetos, quando enganamos ou traímos.
Quando somos irresponsáveis feito adolescentes eternos,
e não acho graça nenhuma nisso.
Atitudes de crianças e de adolescentes são toleráveis e até graciosas,
na idade devida.
Depois ficam chatas, ficam inconvenientes, ficam burras.



Lya Luft

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Torcedores



Gosto de assistir a uma partida de futebol pela TV, acho lindo quando as torcidas se manifestam a cada gol de seu time em uma partida. Mas acho deprimente quando as torcidas se ofendem.

Pois bem, é usual chamarem Flamenguistas de ladrões porque a maioria de seus torcedores vem de classe média baixa. É usual os torcedores do Fluminense se consideraram melhores que os outros porque acham que fazem parte de alguma elite. Frequentei durante anos o clube para a prática de esportes porque era próximo à minha casa. Ouvi, uma certa vez, de uma torcedora, que os torcedores do Fluminense não faziam barulho ao comemorar um gol e um campeonato por serem de uma classe econômica melhor e por terem mais "princípios" que qualquer outra torcida. Não me dou ao trabalho de responder a argumentos preconceituosos, sinto pena de pessoas que se consideram melhores que as outras.

Mas como os torcedores do Fluminense se acham melhores que os outros, segue abaixo a notícia do que aconteceu ontem, em Laranjeiras, na comemoração antecipada de seu campeonato, um domingo, onde foi totalmente desrespeitado o direito de dormir dos moradores de Laranjeiras, sendo a 2a. feira um dia de trabalho para a maioria das pessoas.

Demora na chegada dos jogadores do Flu gera vaias, briga e até saques 


Campeões só apareceram nas Laranjeiras às 2h45m, fizeram metade dos torcedores desistirem, e festa do tetracampeonato acaba em confusão.

Após o espetáculo dos torcedores do Fluminense na comemoração do quarto título brasileiro nos primeiros momentos, a festa nas Laranjeiras se transformou em frustração e gafe até às 2h45 da madrugada, horário em que o trio elétrico que trazia os jogadores do aeroporto chegou à sede social do clube. O atraso se deu por causa dos milhares de tricolores que acompanharam a carreata fazendo com que a mesma andasse devagar e gerou vaias, briga e até mesmo saque de bebidas. Não havia policiamento no local.

Irritados com a demora, os torcedores primeiro se manifestaram com gritos como "Falta de respeito" e vaias a cada infomação no sistema de som que os jogadores estavam chegando, mas não apareciam. Em certo momento, os torcedores conseguiram invadir a a arquibancada social do clube, que estava fechada, e chegaram até a área vip e o local reservado para a imprensa. Para tentar conter o avanço dos invasores, toda a segurança se deslocou para a tribuna de honra e deixou desguarnecido o estoque de cervejas que abastecia a festa. Foi quando alguns torcedores começaram a saquear a cerveja. Alguns foram vistos carregando até seis caixas. Pequenas brigas também foram registradas.

Taça, jogadores e mais empurra-empurra

Quando enfim os jogadores chegaram, a alegria pelo título voltou a prevalecer por alguns minutos. Os mesmos se dirigiram à tribuna de honra, onde estava a taça do título brasileiro de 2010. Fred chegou a erguer o trofeu de forma simbólica, mas o momento durou pouco porque o local que deveria ser apenas dos jogadores foi tomado por torcedores. Foi a senha para mais confusões. Quando os atletas já haviam se dirigido para o Salão Nobre, com certa dificuldade, uma vez que torcedores também tentavam invadir o local, um novo princípio de briga começou. Era a senha para o fim da festa, com a maioria dos torcedores que restava finalmente deixando o clube.




n.e.: Vale dizer que, sob meu ponto de vista, há pessoas honestas e não honestas como torcedores em qualquer time de futebol, dentro do Brasil e fora dele. Que uma comemoração deveria ser apenas uma manifestação de alegria, e isto vale para qualquer torcida, e infelizmente não é assim. E que continuarei sentindo muita pena de alguém que valoriza o "ter" e não o "ser".
 

fonte: Globo Esporte

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Do querer






Quero dias mais doces, pessoas claras, sentimentos verdadeiros, sem desculpas esfarrapadas. Verdades que não sejam absolutas, erros perdoáveis. Quero mudanças de opiniões. Não quero arranhões internos. Quero o imperfeito perfeito.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

A coisa tá feia...



Tá feia coisa. Quem anda pelas redes sociais e andou na escola sofre pelo português (ou pela falta dele) que andam escrevendo. E tem incomodado tanto que páginas sobre a língua foram criadas nas redes sociais no intuito de ajudar a quem tem uma imensa dificuldade em escrever direito. Não sei se melhorou porque observo que pessoas que escrevem mal a nossa língua nem tem noção de que estão escrevendo errado porque os erros são repetitivos. Mas decidi fazer a minha parte e então, de vez em quando, vocês verão (e não, veram) por aqui algumas imagens sobre a nossa língua. Ela é tão bonita e sonora que merece ser bem escrita.






domingo, 4 de novembro de 2012

Vivi de aventura, perdi tanto tempo





Um dia eu saí, pus o pé nessa estrada
Teu coração foi meu guia
Enquanto ensinava, aprendia
Todas as formas de amar

Vivi de aventura
Perdi tanto tempo
Todas pensei que eu podia
Se era paixão, não sabia
Quando cansei, fui morar

Na primeira estrela do céu
Só então foi que eu pude enxergar
Que a primeira estrela do céu
Estava em casa, eu podia tocar

Ah, se eu te magoei, amor
Ah, perdoa, meu amor

Ética





Muito cuidado com uma frase que anda circulando por aí: "Nada é errado se te faz feliz." Não é bem assim que a banda toca. Meu direito acaba quando começa o direito do outro, mas pra quem vive isolado e só... boa sorte!

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Por aqui também há coisas bonitas








Às vezes, em sonho triste
Nos meus desejos existe
Longinquamente um país
Onde ser feliz consiste
Apenas em ser feliz.
Vive-se como se nasce
Sem o querer nem saber.
Nessa ilusão de viver
O tempo morre e renasce
Sem que o sintamos correr.
O sentir e o desejar
São banidos dessa terra.
O amor não é amor
Nesse país por onde erra
Meu longínquo divagar.
Nem se sonha nem se vive:
É uma infância sem fim.
Parece que se revive
Tão suave é viver assim
Nesse impossível jardim.


Fernando Pessoa


n.r.: A foto eu bifei da minha querida Andréia Cristina.
Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.