sexta-feira, 31 de julho de 2009

Bom fim de semana




fonte:FFFFOUND!

Música

E lá vou eu novo com a minha mania de ouvir e ouvir e ouvir...




As coisas vulgares que há na vida
Não deixam saudades
Só as lembranças que doem
Ou fazem sorrir

Há gente que fica na história
da história da gente
e outras de quem nem o nome
lembramos ouvir

São emoções que dão vida
à saudade que trago
Aquelas que tive contigo
e acabei por perder

Há dias que marcam a alma
e a vida da gente
e aquele em que tu me deixaste
não posso esquecer

A chuva molhava-me o rosto
Gelado e cansado
As ruas que a cidade tinha
Já eu percorrera

Ai... meu choro de moça perdida
gritava à cidade
que o fogo do amor sob chuva
há instantes morrera

A chuva ouviu e calou
meu segredo à cidade
E eis que ela bate no vidro
Trazendo a saudade


fonte:YouTube

Porque hoje é sexta-feira




fonte:YouTube

Hey!

I wanna fly...





fonte: FFFFOUND!

Why not?



fonte: i can read


Se eu te pedisse a paz, que me darias
Pequeno insecto da memória de quem sou
Ninho e alimento? Se eu te pedisse a
Paz, a pedra do silêncio cobrindo-me
De pó, a voz rubra dos frutos, que me
Darias respiração pausada de outro
Corpo sob o meu corpo?

Perdoa-me por ser tão só, e falar-te
Ainda do meu exílio. Perdoa-me se não
Te peço a paz. Apenas pergunto: que me
Darias se a pedisse?

A sabedoria?
Um cavalo de olhos verdes?
Um tronco de madeira para nele gravar o teu nome junto ao meu?
Ou apenas uma faca de fogo, intranquila, no centro do coração?

Nada te peço, nada. Visito, simplesmente, o teu corpo de cinza.
Falo-lhe de mim, entrego-te o meu destino. E dele me liberto só
De perguntar: que me darias se eu te pedisse a paz e soubesses
De como a quero revestida por uma crista de sol em liberdade?


Casimiro de Brito
foto: Bina Engel

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Lucy...

Essa não sai da minha cabeça...




fonte:Euzinha e YouTube

Murais de Carybé ameaçados em NY ganham casa nova em aeroporto de Miami

Em seus quase 30 anos como carregador de bagagem no Aeroporto Internacional John F. Kennedy em Nova York, Darren Hoggard passava os dias mais tranquilos observando as cenas nas paredes do terminal da American Airlines.

Em uma parede, pioneiros com chapéus e rostos angulosos, cavalgando na direção da luz do sol do oeste, seguidos por carroças cobertas, tendo como fundo as planícies verdes e marrons. Em outra parede, dezenas de pessoas, fantasiadas de vermelho, azul e amarelo, dançavam e tocavam instrumentos em uma celebração caótica. "Se você ficar olhando por bastante tempo, é possível ir para casa e sonhar a respeito", disse Haggard, 49 anos.



E então, ao que parecia, as pinturas deixariam de existir, programadas para demolição em 2007 juntamente com o restante do terminal. A notícia atingiu tão duramente Hoggard a ponto de uma passageira lhe perguntar qual era o problema. "Eu estou apenas triste porque na próxima semana tudo isso poderá desaparecer", ele disse à mulher.

Coincidentemente, Beatrice Esteve, a tal passageira, conhecia o autor dos murais, o argentino naturalizado brasileiro Hector Julio Paride Bernabó, mais conhecido como Carybé. O artista visitava a casa de Beatrice quando ela era criança e bebia uísque com seu pai. Ela prometeu fazer o que pudesse para ajudar Hoggard. E fez. Desde o final de junho, os murais estão adornando as paredes do novo terminal sul do Aeroporto Internacional de Miami, depois de milhões de dólares de gastos no transporte e na restauração.



A longa viagem transcorreu desta forma: Após Beatrice conversar com Hoggard, ela telefonou para seu amigo Gilberto Sá, que também conheceu Carybé e sua família. Sá fazia parte do conselho diretor da construtora Odebrecht, que estava construindo os terminais do Aeroporto Internacional de Miami. Sá, por sua vez, contatou Gilberto Neves, que chefia a operação americana da Odebrecht, com sede em Miami. "Certifique-se de que não será simplesmente jogados no lixo", Neves lembrou de Sá ter dito.

A American Airlines não queria destruir os murais, mas Neves disse que a companhia aérea não conseguia encontrar um comprador devido à dificuldade de remoção das telas. Quando os trabalhadores tentaram remover os murais das paredes do terminal, as telas começaram a rasgar. "Nós achamos literalmente que apenas as enrolaríamos", disse Neves.

Mas os murais tinham valor. Carybé venceu um concurso da American Airlines nos anos 50 para pintá-los, superando vários artistas importantes da época. Ele recebeu US$ 60 mil por "Alegria e Festival das Américas" e "Descoberta e Colonização do Oeste". Ele morreu em 1997.

Para serem removidos os murais, as paredes tiveram que ser recortadas juntamente com eles. Portas tiveram que ser removidas para retirada das 12 placas do terminal, cada uma com cerca de 5 m X 2,5 m. Cada placa pesava três toneladas após ser reforçada com aço para apoio.

O processo de restauração artística também não foi fácil, e todo o procedimento custou à construtora mais de US$ 2 milhões, mais de dez vezes o que Neves estimou originalmente ao conselho, apesar de ele não gostar de discutir o assunto. "Para começar, como atribuir um preço à arte?", disse Neves.

n.r.: História bonita. Adoro um final feliz.

Mais imagens, aqui.


fonte: UOL

Uma idéia para os que ainda não casaram

Amei! Que performance!!!




fonte: recebido por email

Compradora compulsiva foi achada morta sob pilha de roupas

Um inquérito na Grã-Bretanha revelou que uma idosa de 77 anos que era compradora compulsiva foi encontrada morta coberta por uma pilha de roupas e outras compras em sua casa.

Os investigadores descobriram que a casa da idosa Joan Cunnane, na cidade de Heaton Mersey, estava tão cheia de roupas e outros itens que foram necessárias cinco visitas ao local para que se descobrisse o corpo da britânica.

Ela morreu em dezembro de 2008, vítima de pneumonia, mas os detalhes da sua morte só começaram a surgir agora, com a realização de um inquérito sobre o caso. Anteriormente, ela já havia sido diagnosticada com câncer.

Segundo relatos ao tribunal de Stockport nesta terça-feira, Joan não permitia que nenhuma pessoa – nem mesmo os amigos – entrasse na sua casa.

Um amigo, Roy Moran, disse que Joan começou a sair para fazer compras quando teve um problema com os vizinhos no seu bairro. Alguns jovens da vizinhança estavam constantemente fazendo muito barulho próximo à casa da idosa. Moran disse que Joan começou a ir às compras para passar menos tempo em casa.

Moran diz que viu a idosa pela última vez no Natal de 2008. Ele visitou a casa da amiga quatro dias depois e encontrou a porta entreaberta. A casa estava lotada de compras, do chão até o teto.

"Ele não conseguiu vê-la e não recebeu nenhuma resposta", disse o investigador John Pollard.

Moran ainda foi à casa de Cunnane outras três vezes sem encontrá-la. Os vizinhos resolveram chamar a polícia no dia 6 de janeiro, mas a primeira busca na casa da idosa não deu resultado devido "ao alto volume de propriedades pessoais e papéis lá dentro", segundo o depoimento do policial Kevin Dolan.

No dia seguinte, a polícia voltou com um caminhão para remover itens da casa. O policial encontrou o corpo de Joan Cunnane no quarto da idosa "sob uma pilha considerável de roupas e outros itens".

n.r.: Que coisa tão triste...


fonte:BBC bRASIL

Junte os pontos




fonte:FFFFOUND!

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Quase



Ainda pior que a convicção do não,
É a incerteza do talvez,
É a desilusão de um quase!

É o quase que me incomoda,
Que me entristece,
Que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.

Quem quase ganhou ainda joga,
Quem quase passou ainda estuda,
Quem quase amou não amou.

Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos,
Nas chances que se perdem por medo,
Nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna.
A resposta eu sei de cor.

Está estampada na distância e na frieza dos sorrisos,
Na frouxidão dos abraços,
Na indiferença dos "bom dia", quase que sussurrados.

Sobra covardia e falta coragem até para ser feliz.

A paixão queima,
O amor enlouquece,
O desejo trai.

Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor.
Mas não são.

Se a virtude estivesse mesmo no meio-termo,
O mar não teria ondas,
Os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.

O nada não ilumina,
Não inspira,
Não aflige nem acalma,
Apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.

Preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.

Para os erros há perdão,
Para os fracassos, chance,
Para os amores impossíveis, tempo.

De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma.
Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance.

Não deixe que a saudade sufoque,
que a rotina acomode,
que o medo impeça de tentar.

Desconfie do destino e acredite em você.
Gaste mais horas realizando que sonhando...
Fazendo que planejando...
Vivendo que esperando...

Porque, embora quem quase morre esteja vivo,
Quem quase vive já morreu.



Sarah Westphal Batista da Silva
foto: Geoffroy Demarquet

Pensando de novo



fonte: i can read

Pensando



fonte:i can read

Hey!

Mantra...




fonte: iLOVE

Tiny

Just because I love cute things...




fonte:FFFFOUND!

A dança está triste

Morre Merce Cunningham, o reinventor da dança contemporânea


O coreógrafo Merce Cunningham, considerado um dos grandes nomes da dança contemporânea, faleceu em Nova York aos 90 anos na madrugada desta segunda-feira.



"É com grande pesar que informamos o falecimento de Merce Cunningham, que morreu serenamente em sua casa durante a noite por causas naturais", declarou a Fundação Cunningham Dance Foundation e a Merce Cunningham Dance Company em seu comunicado conjunto.

Na nota oficial, as duas instituições elogiam a contribuição artística de Cunningham, afirmando que ele "revolucionou as artes visuais e do palco, não por ser meramente iconoclasta, como também para alcançar a beleza e o assombro de explorar novas possibilidades".

Em sua cadeira de rodas, o lendário coreógrafo continuou dirigindo até seus últimos dias no West Village sua própia companhia, fundada em 1953 como um laboratório do movimento aberto à inovação e experimentação.

Apelidado de "Einstein da dança", Cunningham dinamizou a partir dos anos 50 os passos do balé: o dançarino não se deslocava mais em função do centro da cena, ele próprio era o centro.

"Ao contrário do dançarino clássico, considero todos os movimentos possíveis e não componho me baseando no centro da cena", explicava.

Cunningham libertou a dança da música, do cenário, da narração, criando peças onde "a dança se apóia apenas nela mesmo, sem a dominação de uma arte sobre a outra. A relação entre estes elementos é totalmente livre".

A inesgotável coragem imaginativa do coreógrafo, que enfrentou durante muito tempo vaias e incompreensão do público, se expressou através do conceito dos "Eventos". Ele apresentada todo ou parte do espetáculo com a ordem, a duração das sequências, o número e o papel dos dançarinos distribuídos ao azar.

"Eu adoro o estresse do acaso. As propostas que ele traz te obriga a descobrir o que você não conseguia", dizia.

Nascido em 1919 em Centralia, no Estado de Washington, Cunningham estudou balé em Seattle antes de ser solista na companhia da pioneira da dança moderna norte-americana Martha Graham, entre 1939 e 1945.

Em 1944 aconteceu o encontro que marcaria sua vida pessoal e artística, ao realizar um primeiro espetáculo individual com música do compositor John Cage, que viria a ser seu parceiro até a morte deste último quase meio século depois, em 1992.

A Merce Cunningham Dance Company, que ele fundou em 1953 no Black Mountain College, uma comunidade de artistas na Carolina do Norte, possibilitou que realizasse um trabalho com pintores prestigiosos: Robert Rauschenberg assinou o cenário de "Summerspace" (1958), Jasper Johns o de "Walkaround time" (1968). Além deles, trabalhou com Andy Warhol em "Rainforest" (1968).

Cunningham se apresentou diversas vezes na França, país que o condecorou Oficial da Legião de Honra em 2004. Ele continuou dirigindo sua tropa até sua morte, de sua cadeira de rodas, e anunciou em junho o lançamento de uma turnê mundial de dois anos.

Contínuo inovador, Cunningham introduziu nos anos 70 novas tecnologias em suas criações, colaborando com videomakers como Charles Atlas e Eliott Kaplan.

Nos anos 90, o patriarcar rompeu outra barreira, utilizando um artifício digital de simulações de movimentos, "Lifeforms", para compor suas coreografias como "Biped" em 1999.

"Septet" (1953), "Rainforest" (1968), "Un jour ou deux" (1973), "Duets" (1980) estão entre as 200 coreografias deste artista que amava também desenhar e fazer teatro.


fonte:AFP

Hey!




fonte: iLOVE

terça-feira, 28 de julho de 2009

Há fadista

E já que o Duarte mencionou a Carminho (eu já a tinha ouvido mas não sabia seu nome), vem a propósito este post. Mariza e Carminho têm estilos diferentes, e são duas vozes lindas cantando o fado e escolhi "A Bia da Mouraria", e "Maria Lisboa" na voz de Mariza, mas fiquei em dúvida se colocava Mariza cantando "Barco Negro", mas optei por algo mais ligeiro, ainda aproveito pra dizer que não entendo de estilos de fado, mesmo que perceba a diferença entre as duas. Apenas gosto.



Lá vai a Bia que arranjou um par jeitoso,
É vendedor como ela ali para o em Formoso.
São dois amores, duas vidas tão singelas,
Enquanto ela vende flores o Chico vende cautelas.

Na Mouraria só falam do namorico
A Bia namora o Chico, as conversas são iguais.
Ai qualquer dia, Deus queira que isto não mude
Que a Senhora da Saúde vai ser pequena de mais.

O casamento já tem data marcada
Embora qualquer dos noivos tenha pouco mais que nada.
Vai ter a Bia, a festa que ela deseja,
Irá toda a Mouraria ver o casório na igreja.




É varina, usa chinela,
Tem movimentos de gata

Na canastra, a caravela,
No coração, a fragata
Na canastra, a caravela,
No coração, a fragata

Em vez de corvos no xaile
Gaivotas vêm poisar

Quando o vento a leva ao baile,
Baila no baile com o mar
Quando o vento a leva ao baile
Baila no baile com o mar

É de conchas o vestido
Tem algas na cabeleira

E nas veias o latido
Do motor duma traineira
E nas veias o latido
Do motor duma traineira

Vende sonho e maresia,
Tempestades apregoa,
Seu nome próprio - Maria,
Seu apelido - Lisboa
Seu nome próprio - Maria
Seu apelido* - Lisboa



A música portuguesa me traz recordações de outros tempos e pessoas queridas (algumas que já nem estão por aqui) e me emociono sempre.

* Apelido em Portugal é o mesmo que sobrenome no Brasil.


fonte:YouTube

Cinema em casa

A televisão ligada num canal Telecine qualquer e rolava um filme francês que se iniciava, vi Audrey Tautou na telinha e resolvi, despretenciosamente, que não seria mau assistir, e o tempo foi passando e a história me envolvendo e o rotina de adormecer com a televisão ligada não aconteceu, vi o filme até o fim, me emocionei e suspirei no final.



Deixei prá lá o nome do filme, mas não saiu da minha cabeça e hoje entrando no site CacaoCocoa dou de cara com fotos das cenas do filme, finalmente resolvo procurar saber o nome, e em francês é "Ensemble, C'ést Tou!", em português é "Enfim, Juntos". Recomendo.




fonte:CacaoCocoa

E pra vocês,

Mariza


Uma das mais lindas vozes (se não a mais bonita) portuguesas da atualidade. E agradeço ao James por divulgá-la.




fonte: James in Minha Literatura Agora

Não entendo



"Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo."

Clarice Lispector



fonte: Um Sopro de Vida
foto: Lilya Corneli

Nem Mona resistiu




fonte: rebel:art

Hey!

You broke my heart... hehe




fonte: dreamhouse

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Forgive and forget



Ser forte não faz de mim a mulher-maravilha, sofro, me magoo, me entristeço, posso ficar melancólica, porque ser forte não faz de mim, insensível. Sendo normal preciso de tempo: tempo pra esquecer, pra refletir, pra perdoar, pra recomeçar. Não tenho ombros de aço, tenho ombros de mulher, ser cheio de contradiçôes e sentimentos. Sinto mais do que penso, então dêem-me tempo pra pensar.



Hey!



fonte: i can read

Fome



A minha fome é insaciável. Também o é a minha sede.
Tenho fome das tuas mãos a percorrerem-me o corpo e da tua saliva a cobrir-me como uma segunda pele. Tenho fome dos teus beijos misturados com os meus e das palavras que as nossas línguas trocavam. Das noites das madrugadas do amor. Do teu calor. Do teu cheiro. A minha fome é do tamanho da Terra.
Tenho sede de todos os rios e de ser novamente fonte e descer montanhas e correr vales desenfreadamente rasgando a terra em busca do caminho até à foz. Tenho sede das margens que em mim fazias com o teu olhar. Da verdade que somos. Do futuro que seremos. A minha sede é do tamanho de todos os Mares.
Tenho fome do teu abraço. E tenho sede do teu sorriso...


Maria in O Cheiro da Ilha
foto: Denis Olivier

Para dar inspiração

Observando...




fonte: 100 Notes

domingo, 26 de julho de 2009

"500 Dias com Ela"



Tom (Joseph Gordon-Levitt) se apaixona por Summer (Zooey Deschanel), que não acredita no amor em 500 Dias com Ela (500 Days of Summer).

O enredo me atrai. Quero ver! Estréia prevista só pra novembro.




fonte:UOL

Hey!

Oh...




fonte: PostSecret

sábado, 25 de julho de 2009

Bom fim de semana



Se não vos vejo

Vos sinto por toda parte.
...

Não são os olhos que vêem
Nem o sentido que sente.
O amor é que vai além
E em tudo vos faz presente.



Hilda Hilst
foto: Geoffroy Demarquet

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Pra chover na horta

O sol pode até não brilhar, mas minha mente brilhou... Aleluia!!!

Hoje é sexta-feira!!!




fonte:Euzinha

Hoje é sexta-feira!

Ando sem inspiração... eu sinto isso, parece que tudo o que penso não tem graça e nem vale a pena ser escrito, encontro a minha mente vazia, sem novidades e procuro o máximo de informação possível numa busca pela inspiração que não vem, acho tudo igual, monótono e insípido. A única música que vem na minha cabeça pra hoje, sexta, como é de praxe aqui no Nuvens é Perfect Little Secret do Snow Patrol e não me perguntem porquê, algo me impede de refletir sobre isso, talvez porquê... ah, sei lá...

Sabe aquela: "só sei que nada sei?", pois é, hoje tô assim.





fonte:Euzinha e YouTube

Twitter

Geeeeeeeeeeeeeeeeente, tem link do meu Nuvens nos twitters desse Brasil. Ai, que lindo! Amei!




fonte:Euzinha na net

Simpáticos, cordiais e canalhas

por Nelson Motta


Cuidado com os simpáticos e cordiais, sempre advirto minhas filhas, e mais ainda com os bajuladores e paparicadores: são condições básicas necessárias para o exercício da canalhice. Claro, se além de canalha o cara é antipático, grosso, mal-educado, fica bem mais difícil encontrar vítimas para as suas canalhices. Poderá ser apenas um bandido óbvio. Canalhas não, eles podem ser vistos até como pessoas "respeitáveis", podem ser muito queridos pela família, pelos amigos e aliados, que se beneficiam das suas canalhices, sem passar vergonha na rua, na escola e no trabalho. É o canalha gente boa.

Nada contra a simpatia ou cordialidade, pelo contrário, com elas a vida e a convivência se tornam muito mais agradáveis, civilizadas e produtivas, e me esforço diariamente para usá-las como um estilo de vida. Não uma arma.

Assim como o psicanalista Hélio Pellegrino dizia que a inteligência voltada para o mal é pior do que a burrice, a simpatia e a cordialidade, quando usadas para o exercício da canalhice, são piores do que a secura e a dureza no trato. É o estilo preferido dos políticos brasileiros, dos grandes ladrões públicos, dos oligarcas que enriquecem com a política, mas não abrem mão de uma aura de respeitabilidade e prestígio - que lhes permite continuar nas canalhices.

São pessoas aparentemente doces e carinhosas, paizões e vovôzinhos, que defendem o clã em qualquer circunstância. São generosos e tolerantes com familiares, amigos e agregados, mas sempre com dinheiro público. São contadores de causos pitorescos, gostam de citar provérbios populares de suas regiões, aparentam simplicidade interiorana, mas são raposas urbanas vorazes e vaidosas. Espertos, bem informados e maledicentes, são fontes disputadas por jornalistas, que em troca os poupam de maiores críticas. Católicos fervorosos, mantém laços estreitos com o candomblé, mas jamais o admitem.

Eles são muitos, estão no Senado, na Câmara, em altos cargos da administração pública, estão todos ricos, poderosos e impunes. Em Brasília, os que os conhecem pessoalmente confirmam que são simpáticos e cordiais. Em bora canalhas


fonte: Jornal O Globo, pág.7, de 24 de julho de 2009

Bebê com estilo



fonte: FFFFOUND!

Fiu-fiiiiiiiiiiu

Concurso premia melhor cantada por assobio


Uma cidade da Irlanda do Norte parou, na quarta-feira, para realizar o primeiro campeonato de assobios "de paquera" do país.

Além de disparar o melhor '"fiu-fiu" diante de um desfile de mulheres, os candidatos tiveram que se vestir como pedreiros, com direito a macacão e capacete. "Estamos aqui por causa das lindas mulheres", brincou um dos participantes, Jimmy McKenna. "O assobio sai naturalmente."

Outro competidor, Conal O'Hanlon, de 73 anos, disse que nunca deixou de assobiar para mulheres bonitas. "Estou sempre de olho nelas", contou.

"Devoto"

O concurso fez parte do Festival Lady of the Lake, organizado na cidade de Irvinestown.

Ele foi criado pelo organizador do festival, Joe Mahon, que se diz um "devoto do fiu-fiu". "Foi assim que conheci minha mulher, há 23 anos", contou. "Eu assobiei para ela e estamos juntos desde então."

Mahon negou ter recebido reclamações, mesmo com a natureza "politicamente incorreta" do evento.

Ele também foi o responsável pela escolha do vencedor do concurso.

O título ficou com o açougueiro Stephen Millar, de 28 anos.

"Eu assobio para qualquer garota desde que tinha 16 anos", disse. "Agora sou casado. E, claro, foi no assobio que ganhei minha mulher."

n.r.: E por aqui é coisa tão rara que quando ouço um assobio até me assusto.


fonte: BBC Brasil

Sonho II



fonte: Violet Voice

Sonho I



fonte: Violet Voice

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Sophie Calle - Cuide de Você

Já falei sobre a famosa carta de Sophie Calle e Grégoire Bouillier, aqui, onde ele dá um fora na namorada Sophie, por email, e termina com um frio "Se cuida!". E Sophie resolve exorcizar a dor e exercer uma vingança (ninguém tira isso da minha cabeça), não só tornando esta carta pública como fazendo 83 mulheres de diferentes profissões darem a sua interpretação sobre o fora recebido (entre elas a minha queridíssima Maria de Medeiros, atriz portuguesa), e daí este fora - o conhecido "pé na bunda" - se tornou uma expressão artística criada pela esperta Sophie.

A exposição "Cuide de Você", fica no Sesc Pompeia de 10 de julho a 7 de setembro. O Sesc Pompeia fica na rua Clélia, 93, aberto de terça a sábado, das 10h às 21h, domingos e feriados, das 10h às 20h.





fonte:UOL

Bloquinhos

São bloquinhos. O site é este aqui.






fonte: FFFFOUND!

Museu de cera Madame Tussaud abre filial em Nova York

Algumas estátuas impreesionam.









fonte:UOL

Amigos

Já falei aqui uma vez que tenho poucos amigos (aqueles que aparecem nas horas boas e más) mas os que tenho são maravilhosos e sou sortuda por eles gostarem de mim. Gosto demais de todos (eles e elas).



Minha amiga, Ju, dos blogs Portfólio e Diário começou a realizar um de seus sonhos, uma cicloviagem sozinha, eu não teria essa coragem, mas ela tem. Aí leio que sua bicicleta perdeu os freios e eu, amiga, fico preocupada até dizer chega, e ainda me avisa que nem sempre poderá atualizar o blog pela precariedade dos lugares por onde passará, mas se ela está feliz, então está tudo bem.




fonte:Juliana Reis

Suspensa

Às vezes tenho desejos inimagináveis... e quando a vida não os satisfaz realizo-os como posso...




fonte: it starts here

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Alice

Agora já não é novidade, só agora consegui postar, mas quem sabe se alguém ainda não viu?

Saiu o trailler de "Alice no País das Maravilhas" de Tim Burton.




fonte:UOL

This is my body



fonte:Facebook

Momento mulherzinha

Meninas, quando vocês forem convidadas para a Royal Cup, em Ascot, tentem ir assim... juro que se eu for, vou tentar o mesmo.


Erin O'Connor, em Ascot



fonte: Violet Creme

Romantismo




fonte: Blog do Galhardo

Hey!





fonte: i can read

terça-feira, 21 de julho de 2009

Só pra levantar o astral

Música cura tudo...




fonte:Euzinha e YouTube
nota: o vídeo está horrível, mas não achei um melhor, então só escutem.

Cáustico

Poemas de amor, por Andre Jordan




fonte: a beautiful revolution: blog

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.