quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores

Aos que não gostam de Carnaval, David Fonseca.

Aos desavisados, comunico que sendo quase fim de semana meu Carnaval começará exatamente amanhã à noite, e pararei no dia 25. Voltarei destruída, descadeirada, mas embriagada pela alegria. Tentarei estar em todos os locais que pretendo ir e conto com a força de algumas ¨loucas¨ que me acompanham ou me arrastam, não sei bem.

Bom Carnaval pra quem gosta e pra quem não gosta, bom descanso! Fim de semana que vem, eu volto! Beijinhos a todos!




fonte:euzinha e YouTube

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Carnaval



Estou atrás dos blocos... difícil é conciliar o horário dos que gosto com minha resistência física, mas eu me esforço. Fiz uma direta de sexta pra sábado, não dormi. Fui pra casa, nas não preguei o olho e caí no bloco de novo... subi ladeira e desci ladeira.

Fim de semana que vem, acabam os blocos, começa o Carnaval e eu, descansarei assistindo as escolas de samba pela televisão.


fonte:Euzinha

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009



Não me fales de incêndios da alma,
Nem da linguagem dos amantes.
Antes, prova dos meus olhares
Do amor que só se sabe em ti.
Já me disse incontida, desmedida,
Quando sequer te percebes em mim.
Deixa que me confesse inteira,
Muito além da voz que supões.
Estou farta de emoções sussurradas
Pronunciadas no peito como cristal
Quero-te antes de qualquer palavra
Na entonação que apenas tu adivinhas

Não me digas de qualquer alvorecer
Onde não me trazes o sol, a ternura.
São teus olhos que me despertam
E me oferecem o aroma da vida.
É a doçura inquieta das tuas mãos
Néctar que veste os meus sonhos.
O dia que vejo é este em que me tomas
Quando vens antes de mim e dos sentidos
Quando me confidencias tuas saudades
E os caminhos em que me levaste
Em tuas ausências consentidas.

Não me fales de aritméticas
Dessa memória incisiva do tempo.
Meu coração desconhece algarismos
E contagens que afastam e distanciam.
Prefere-se a juntar passos, estradas
Desaprendeu dos números, da lógica
Entende-se somente em interseções
Compreende que pontos podem ser ligados
E assim, abraça-se descobrindo retas
Somando urgentes encantos e afinidades.

Não pressuponhas as rasuras de minhas dores.
Nada sabes dos abismos dos meus silêncios,
Quando o sentir é açoite pelo não expresso.
Tenho marcas palpáveis, cuja agonia e soluço
Só me sabe o escuro em que mergulho.
Apenas adentra as portas que te abro.
Anda devagar, como se deitasses em pétalas.
Não me peças para diluir na taça do impossível
Os sonhos, os desejos, os tolos tremores
Que transbordam insones em luas prateadas.
Não me ofereças o véu do comedimento
Para cobrir a alma, a carne, os sentidos

Sim, continuarei a te fazer versos,
Ainda que te conjugue imperfeitamente
Neste meu desassossego de letras,
Tropeçando em rimas, ébria de metáforas.
Mesmo que não alcance o lume dos teus sonhos,
A profundidade do que tua alma abriga,
Deixarei o eco deste amor que me guia
Na fragrância do dizer da minha poesia.
Bebo-te nesta taça até o último trago
Onde vezes te derramas quase meu...


Fernanda Guimarães
foto: Angelicatas

Xenofobia na Suíça

Imprensa suíça levanta dúvidas sobre caso da brasileira


A imprensa suíça levanta dúvidas, nas edições desta sexta-feira, sobre o caso da brasileira Paula Oliveira, que afirma ter sido atacada por três neonazistas na Suíça.

Uma das publicações suíças indica, ainda, que a própria polícia de Zurique é cética sobre a versão da advogada. A maior parte das reportagens trata o assunto com cautela.

Paula foi atendida pela polícia na segunda-feira com ferimentos com objetos cortantes na pele, formando a sigla do partido de ultra-direita SVP. O ataque teria ainda provocado um aborto dos bebês gêmeos que ela esperava.

O Neue Zürcher Zeitung, um dos diários de maior prestígio na Suíça, denomina o caso como o de "uma jovem brasileira encontrada com cortes no corpo" em uma estação de trem de Zurique.

Como a maioria dos veículos suíços, o jornal cita a imprensa no Brasil, afirmando que o incidente tomou uma dimensão política no país, onde "está sendo considerado um ataque racista".

Interrogações

Interrogações marcam o tom das reportagens publicadas nesta sexta-feira na Suíça. "Como poderiam três homens atacar uma mulher por volta das 19h30, sem chamar a atenção, em uma estação de trem bem frequentada?" é uma das perguntas lançadas pela edição desta sexta-feira do diário Tages-Anzeiger, de Zurique.

O jornal questiona ainda por que somente na quinta-feira a polícia convocou testemunhas, como era possível que fossem gravadas letras tão legíveis no corpo de alguém que tentava se defender, e por que nenhum neonazista teria sido percebido no bairro até então.

O diário NEWS afirma ter sabido de "fontes internas bem informadas" que a polícia duvida da gravidez e das informações de que a mulher foi atacada por neonazistas.

A polícia de Zürique não quis dar, quando questionada, informação alguma sobre o estado das investigações devido a proteção privada das pessoas e por respeito ao andamento das investigações.

Já o Solothurner Zeitung intitula sua reportagem com a frase: "Teriam neonazistas torturado brasileira"?

O St Galler Tagblatt segue linha similar estampando sua manchete com a interrogação: "Brasileira grávida torturada por neonazistas?".

Relatos de parentes

O jornal Le Temps, de língua francesa, destaca que as informações que se conhecesse sobre o caso foram as publicadas pela mídia brasileira, a partir de relatos de parentes da vítima, já que a polícia local não divulgou detalhes.

Segundo o jornal, a polícia de Zurique "conclui que as circunstâncias exatas do incidente não são claras". "E ela não pode dar nenhuma informação sobre o estado de saúde da mulher ou do andamento do inquérito por ‘razões táticas'", afirma o texto.

O diário La Tribune de Genève, por sua vez, em um texto intitulado "Uma brasileira grávida foi mutilada por neonazistas", descreve como "horror" a reação às fotos de Paula com marcas pelo corpo.

O jornal observa, porém, que "a polícia não confirma o depoimento da jovem". "[A polícia] ainda tem que entrevistá-la sobre os fatos e buscar testemunhas para a tragédia", diz o texto.

A agressão

A bacharel em Direito brasileira Paula Oliveira, de 26 anos, foi agredida por três homens brancos, com cabelo raspados, na noite de segunda-feira (9) em Dubendorf, cidade que fica perto de Zurique. Grávida de gêmeos havia três meses, ela acabou perdendo as crianças e sofreu cortes em todas as partes do corpo.

Segundo relatos que fez para o pai, ela havia acabado de sair do trem e ia em direção à casa onde reside com o companheiro, Marco Trepp, quando, segundo ela, foi surpreendida por três homens, aparentemente neonazistas.

“Deram socos, chutaram e a cortaram com estiletes no corpo inteiro e até fizeram a sigla SVP nas pernas”, afirmou Paulo Oliveira, pai da brasileira, em entrevista por telefone, de Zurique. “Eles tinham suásticas na cabeça”, informou ele.

Paulo Oliveira, que é secretário parlamentar, foi avisado por ela, por telefone, sobre o ocorrido na madrugada de terça-feira (10), pelo horário de Brasília. Em seguida, avisou ao deputado federal Roberto Magalhães (DEM-PE), para quem trabalha, e também ao senador Marco Maciel (DEM-PE) e pegou o primeiro voo em direção a Zurique, juntamente com a mãe de Paula, Geni.

Na quarta-feira (10), Paula foi encaminhada novamente ao Hospital da Universidade de Zurique. “Ela foi chamada para tomar vacinas antivirais. Como foi ferida por objetos cortantes, os estiletes poderiam estar contaminados com hepatite ou outra doença”, disse ele.

O pai da vítima contou ainda que a polícia ainda não procurou a filha para obter mais detalhes do ataque. "Aparentaram nenhum interesse. Aparentemente estão trabalhando sem nos dar informação", afirmou. "Mas neste momento a prioridade é cuidar da minha filha. Ela está em estado de choque", completou.

Segundo a cônsul-geral do Brasil em Zurique, Vitoria Cleaver, em entrevista à Globo News, a polícia ainda não tem pistas sobre os agressores. Ela informou que o consulado está em contato com a polícia para se informar sobre o caso.

Paula e os pais devem voltar a Recife em uma semana. "Depois eu não sei, não quero fazer conjecturas. Ela trabalha para uma empresa aqui e precisa ver o que a empresa vai querer. Não sabe ainda se voltará para Zurique", disse. Segundo o Itamaraty, Paula vive legalmente no país.

A cônsul-geral do Brasil em Zurique disse que conversou apenas por telefone com Paula. Mas que tentou um contato com a polícia suíça. "Tomamos conhecimento sobre este tema através da assessoria internacional do estado de Pernambuco na terça-feira pela manhã", disse.

Cleaver contou ainda que conversou com o policial que fez o atendimento de Paula logo após o namorado dela ter chamado a polícia.

"O policial que a atendeu e chamou a ambulância deu o cartão dele para ela e foi com ele que fiz o primeiro contato. Estranhamente, ele pediu que fizesse o pedido do que queria por escrito. Depois, também por escrito, disse que, se o consulado quisesse mais informações, falasse com a própria vítima", afirmou.

A cônsul-geral disse que SVP é a sigla de um dos principais partidos políticos suíços (Centro da União Democrática, em livre tradução).

"Uma facção do partido tem uma posição muito dura em relação à questão da imigração. Um grupo era contrário ao referendo (que pode dar mais abertura a imigrantes no país). Acham que tem com o aumento da imigração tem trazido mais problemas, mais concorrência e piora no serviço de saúde e na criminalidade", disse ela.

No domingo, quase 60% da população foi favorável à abertura do país para mais dois países. Antes eram 25 e agora romenos e búlgaros também terão livre acesso na Suíça como integrantes da comunidade europeia. Assim, terão os mesmos direitos de trabalho.

n.e.: leiam o resto da notícia aqui,já que a vítima, em questão, simulou a violência que sofreu.


fonte:BBC Brasil e G1

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Aparência

Não sou o tipo de pessoa que dá mais valor à aparência que à personalidade, mas algumas imagens me chocam pelo que uma pessoa pode fazer à sua própria aparência, às vezes numa corrida desesperada contra o envelhecimento.




Não tenho nada contra plásticas, acho bacana envelhecer com dignidade, com rugas ou sem, mas acho que o bom senso deve prevalecer sempre.




Há alguns anos a modificação na aparência de Mickey Rourke me chocou, suspirei por aquele ator interessantíssimo no seu primeiro sucesso, "9 1/2 Semanas de Amor" ("9 1/2 Weeks, 1986"), onde ele contracenava com a lindíssima Kim Bessinger. O filme não era lá um primor, mas a publicidade e a novidade do tema foram papel importante no seu sucesso.




Não sei bem porquê, mas Rourke pra mim passou a ter alguma semelhança com Marlon Brando, talvez pelo fato de Brando ter se descuidado fisicamente, nao sei bem como é isso, mas sempre que vejo Rourke, a imagem de Brando me vem à cabeça.




Agora volta o assunto Mickey Rourke com o lançamento de seu novo filme "O Lutador", cuja atuação já lhe rendeu prêmios como o Globo de Ouro e o Bafta, ambos como Melhor Ator Dramático, e indicação ao Oscar deste ano como Melhor Ator.



Boa sorte pra ele!


fonte:Euzinha e fotos da Folha Online


..escrevo-te...
.....escrevo-te porque perdi a cabeça. não aguento mais nenhum dia sem te contar como têm sido os meus. claro que nunca te enviarei carta alguma! perco a cabeça apenas enquando te escrevo. enquanto penso em ti. mas não sou verdadeiramente louca! aliás, se queres saber, escrevo-te porque me desafiaram a fazê-lo. sempre aceitei todos os desafios. por isso te aceitei a ti. e por isso te escrevo.
.....ah, isso não posso! dizer-te quem me desafiou seria corromper a confiança que em mim depositaram. fiz uma promessa. e, apesar de incumprir tantas, esta vou cumpri-la.
....não comecei a carta com "querido X"... não podia! seria um atrevimento da minha parte. além disso tinha que, obrigatoriamente, iniciar o texto com a palavra que usei. uma regra imposta pelo desafio.
.....repetir-me-ia se te dissesse que o que mais me pesa são as saudades. em miúda via as saudades como algo que transportamos alegremente no coração. era tão feliz com as saudades de então! quis a existência ofertar-me outras. entre elas as saudades que tenho de ti. talvez em miúda eu não tivesse muitas saudades. grama aqui, grama ali e fui juntando toneladas.
.....já passou algum tempo. e o passar do tempo não ajuda nada. ou então não passou tempo suficiente e o meu recomeçar está ainda para vir. cada recomeço que tento é um virar de página. acontece que tenho o hábito de folhear os livros de trás para a frente. qual penélope, teço e desfaço o que teci. na espera de ti.
.....os negócios vão mal. a minha tristeza não atrai alegria. e a falta de alegria não atrai fortuna. atrai!!! todas as palavras me te devolvem. ou porque as usavas, ou porque as usavamos, ou porque me relembram deliciosos momentos, ou porque as tenho guardadas, ou... (privo-me) não direi mais nada! como assim... não vou enviar a carta.
.....eu gosto de escrever cartas. escrevi tantas!
.....podia acabar com a verdade. acho que não o faço pois posso um dia querer enviar-ta. mas deixo-te um beijo.



Luísa, aqui
foto: Christian Coigny

Música





fonte:YouTube

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Música

Essa vem lá do fundo do baú. Minha mente foi catar Grace Jones em algum lugar do passado, e coloca passado nisso.




fonte:YouTube

Oktapodi - Amor de Polvo

Oktapodi é um curta de animação criado pela Gobelins L´École de L´Images que conta a história de dois polvos que lutam para ficarem unidos.

A determinação dos dois polvinhos é contagiante e você se pega torcendo pelo casal e também desejando encontrar esse amor verdadeiro.



Recebi a animação por email, mas não faço a menor idéia como colocá-lo aqui no blog, no YouTube o vídeo se encontra como particular e não pode ser exibido.



Oktapodi - http://www.oktapodi.com/index.html



terça-feira, 10 de fevereiro de 2009


Em quem pensar, agora, senão em ti? Tu, que
me esvaziaste de coisas incertas, e trouxeste a
manhã da minha noite...



Nuno Júdice
foto: Geoffroy Demarquet

Música

Hoje a culpa é da Juliana que tocou no assunto: Rocket Man, e estou vindo do blog dela agorinha. A interpretação é demais. Os puristas que me perdoem, mas é a versão que gosto dessa música.

O vídeo é insano! Muita piração! A direção do vídeo é do próprio David Fonseca, por isso não sintam pena pelo que ele passa. O final onde a maquiagem vai sendo construída é fantástico.




fonte:Juliana e YouTube

Miragem


não sei se sou voo
ou vertigem

asa estrangeira sobre teus versos
avisto o mar impossível
e mergulho

esbarro no último ponto
de tuas reticências
e nem sei se te encontro


Adrianna Coelho
foto: Elena Platonova


Se eu soubesse escrever como tu

e os trilhos me levassem a ti

rasgaria a minha alma, e a nu

deixaria meus olhos por aqui

No silêncio da noite me retiro

e no vai e vem de todas as marés

és tu, sempre tu, que eu respiro

no mar que me vem beijar os pés


Se as tuas palavras me ouvissem

e não me atirassem para a morte

talvez o choro fogo me impedisse

a viagem que faço para norte


Maria
foto: Nicola Novotny

Música

Eu me apaixono por vozes, mas não sou muito fiel, troco muito facilmente por outra, totalmente volúvel. Voltei a me apaixonar por David Fonseca.
Enquanto não sai outro CD de Michael Bublé, ele vai ficar um pouco na ¨geladeira¨. Desculpe-me Michael, não sou perfeita.




fonte:YouTube

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

A Pequena Notável

O que é que a pequena tem?


Maria do Carmo Miranda da Cunha nasceu em 9 de fevereiro de 1909 na freguesia de Marco de Canavezes, Província do Douro Litoral, Portugal.

Pouco depois de seu nascimento, seu pai, José Maria, emigrou para o Brasil, onde se instalou no Rio de Janeiro. Em 1910, sua mãe, Maria Emília seguiu o marido, acompanhada da filha mais velha, Olinda, e de Carmen, que tinha menos de um ano de idade. Carmen nunca voltou à sua terra natal, o que não impediu que a câmara do concelho de Marco de Canaveses desse seu nome ao museu municipal.



Carmem era uma mulher baixinha, pouca coisa a mais de 1,50 m e usava sandálias de plataforma altíssimas que na década de 50 recebiam o nome ¨Salto Carmem Miranda¨. Recebeu o nome carinhoso de ¨Pequena Notável¨ do radialista César Ladeira, no início de seu sucesso.

Em 1929, foi apresentada ao compositor Josué de Barros, que encantado com seu talento passou a promovê-la em editoras e teatros. No mesmo ano, gravou na editora alemã Brunswick, os primeiros discos com o samba Não Vá Sim'bora e o choro Se O Samba é Moda. Pela gravadora Victor, gravou Triste Jandaia e Dona Balbina.



Mas estourou a partir de 1930, quando gravou a marcha "Pra Você Gostar de Mim" ("Taí") de Joubert de Carvalho. Antes do fim do ano, já era apontada pelo jornal O País como "a maior cantora brasileira".

Em 20 de janeiro de 1936, estreou o filme Alô, Alô Carnaval com a famosa cena em que ela e Aurora Miranda cantam "Cantoras do Rádio". No mesmo ano, as duas irmãs passaram a integrar o elenco do Cassino da Urca de propriedade de Joaquim Rolla. A partir de então as duas irmãs se dividiram entre o palco do cassino e excursões freqüentes pelo Brasil e Argentina.

Depois de uma apresentação para o astro de Hollywood Tyrone Power em 1938, aventou-se a possibilidade de uma carreira nos Estados Unidos. Carmen recebia o fabuloso salário de 30 contos de réis mensais no Cassino da Urca e não se interessou pela idéia.



Em 1939, o empresário estadunidense Lee Shubert e a atriz Sonja Henie assistiram ao espetáculo de Carmen no Cassino da Urca. Depois de um espetáculo no transatlântico Normandie, Carmen assinou contrato com o empresário. A execução do contrato não foi imediata, pois a cantora fazia questão de levar o grupo musical Bando da Lua para a acompanhar, mas o empresário estava apenas interessado em Carmen. Depois de voltar para os Estados Unidos, Shubert aceitou a vinda do Bando da Lua. Carmen partiu no navio Uruguai em 4 de maio de 1939, às vésperas da Segunda Guerra Mundial.

Em 29 de maio de 1939 Carmen estreou no espetáculo musical "Streets of Paris", em Boston, com êxito estrondoso de público e crítica. As suas participações teatrais tornaram-se cada vez mais famosas. Em 5 de março de 1940, fez uma apresentação perante o presidente Franklin D. Roosevelt durante um banquete na Casa Branca.

Em 10 de julho de 1940 retornou ao Brasil, onde foi acolhida com enorme ovação pelo povo carioca. No entanto, em uma apresentação no Cassino da Urca com a presença de políticos importantes do Estado Novo, foi apupada pelos que a consideravam "americanizada". Entre os seus críticos havia muitos que eram simpatizantes de correntes políticas contrárias aos Estados Unidos.



Dois meses depois, no mesmo palco, Carmen foi aplaudida entusiasticamente por uma platéia comum. No mesmo mês gravou seus últimos discos no Brasil, onde respondeu com humor às acusações de ter esquecido o Brasil e ter-se "americanizado". Em 3 de outubro, voltou aos Estados Unidos e gravou a marca de seus sapatos e mãos na Calçada da Fama do Teatro Chinês de Los Angeles.

Entre 1942 e 1953 atuou em 13 filmes em Hollywood e nos mais importantes programas de rádio, televisão, casas noturnas, cassinos e teatros norte-americanos. A Política de Boa Vizinhança, implementada pelos Estados Unidos para buscar aliados na Segunda Guerra Mundial, incentivou a imigração de artistas latino-americanos. Apesar de ter chegado nos Estados Unidos antes da criação da Política de Boa Vizinhança, Carmen Miranda sempre foi identificada como a artista de maior sucesso do projeto.



Mas todo esse sucesso tem um preço e Carmen sentiu no corpo o cansaço e o esgotamento que tantos compromissos acarretaram. Volta para o Brasil em dezembro de 1954. Fica reclusa no Copacabana Palace Hotel durante quatro meses. Mas as suas obrigações com produtores americanos a obrigam a voltar para os estados Unidos. Durante um desses compromissos, teve um discreto desmaio. Poucos perceberam. Voltou para sua casa em Beverly Hills onde recebeu alguns amigos. A última pessoa que deixou a casa saiu às 3 e 30 da manhã. Foram as últimas pessoas a verem Carmen Miranda com vida. Foi encontrada morta logo depois. Era o dia 5 de agosto de 1955. Carmen morria aos 46 anos de idade.



Em 12 de agosto de 1955, seu corpo embalsamado desembarcou de um avião no Rio de Janeiro. Sessenta mil pessoas compareceram ao seu velório realizado no saguão da Câmara Municipal da então capital federal. O cortejo fúnebre até o Cemitério São João Batista foi acompanhado por cerca de meio milhão de pessoas que cantavam esporadicamente, em surdina, "Taí", um de seus maiores sucessos.

No ano seguinte, o prefeito do Rio de Janeiro Francisco Negrão de Lima assinou um decreto criando o Museu Carmen Miranda, o qual somente foi inaugurado em 1976 no Aterro do Flamengo.

Uma mulher forte, determinada, Carmem Miranda ainda é hoje, a cantora brasileira que mais fez sucesso no exterior, uma portuguesa que se considerava brasileira.


fonte:Wikipédia e Mpbnet

Barbie faz 50 com cara de 20

Quem sou eu, uma simples consumidora, para desdizer estudos científicos sobre a influência da Barbie no aspecto físico das meninas, o meu trauma foi outro.

A minha grande inveja ou sonho era ter o cabelo da Barbie, cabelo esse capaz de penteados de todos os tipos sempre arrumadinhos, cabelos longos e brilhantes. Nasci careca, uma bola de gude, até crescerem os primeiros penachos, mamy colova fitinhas pequenininhas com sabonete para não caírem, até que chegassem aos ombros me lembro de tirar camisetas e deixar a gola presa na cabeça e correr pra mamy dizendo que afinal tinha cabelos compridos... as bonecas de longos cabelos me deixavam traumatizada, mas felizmente o cabelo cresceu e o trauma enfim passou.



Enquanto pensava no título desse post pensei que a Barbie podia envelhecer, podiam criar Barbies mais velhas com modelitos diferentes, chiquérimos na mesma, acho que ia ser interessante.

Um pouco da reportagem da AFP segue abaixo.

. . .


Nascida Barbara Millicent Robert em 9 de março de 1959 em Willows, em Wisconsin (norte), a boneca-manequim de 29 centímetros de altura, pernas longas e seios salientes para parecer natural, bateu todos os recordes depois de ter causado polêmica numa Feira de Brinquedos naquele ano em Nova York.



Com 300.000 exemplares em 1959, este brinquedo - hoje o mais vendido no mundo, segundo as pesquisas de mercado -, inspirou mais de 70 estilistas, entre eles os mais famosos. Seu fã-clube tem 18 milhões de membros, ela se socializa no Facebook e no MySpace, além de ter revolucionado o mundo das crianças e também dos pais que tentaram em vão resistir a ela.



Muitas mulheres sonharam em ter uma Barbie até a idade adulta e muitas mães de família se orgulham de sua coleção.

"A Semana da Moda, que será inaugurada em Nova York, em 12 de fevereiro, programou um evento onde 50 estilistas comemorarão os 50 anos da Barbie como ícone da moda, e apresentarão um desfile de gerações (passado, presente e futuro)", segundo um comunicado. O desenhista de calçados francês Christian Louboutin estará presentes para falar dos sapatos da boneca.



A criadora Vera Wang desenhou um vestido de noiva que será vendido por 15.000 dólares em sua versão para mulheres de verdade. A boneca com o mesmo vestido custa 159,99 dólares na "Toys"R"Us", a loja da Times Square onde a Barbie tem um canto inteiro, transformado em palácio onde o rosa domina.



O fabricante de brinquedos Mattel, pai da Barbie, acaba de assinar um contrato com a Associação dos Estilistas americanos. Sua presidente, Diane von Furstenberg, vê na Barbie uma mulher independente e confiante, dotada de uma enorme capacidade para se divertir sem perder a elegância.



A editora Assouline está publicando uma obra chamada "Barbie", que será vendida a 500 dólares e mostrará a boneca loira de Prada, Karl Lagerfed e Alexander McQueen.

Para suas 108 profissões, a Barbie teve todas as roupas e acessórios combináveis, 1 bilhão de roupas segundo seu site oficial, principalmente um uniforme aprovado pelo Pentagone para seu alistamento no exército americano em 1989.

Depois de seus "looks" à la Grace Kelly dos anos 1960, ela vestiu de Woodstock nos anos 1970, se tornou mulher de negócios nos anos 1980 e chegou à Casa Branca em 1992. Em seguida, chocando o público, ela rompeu o relacionamento com seu noivo Ken em 2004.



Mas além de sua vida de casal, a própria Barbie está em perigo. Suas vendas caíram em 2008, pelo sétimo ano consecutivo depois do surgimento de sua concorrente Bratz, uma boneca que mostra o umbigo, o que a Barbie só passou a ter em 2000.

A Mattel considera ter os direitos deste produto, criado por um antigo funcionário e lançado em 2001 pela MGA Entertainement. Os processos hora dão vitória a um hora dão vitória a outro.



E, para piorar ainda mais a situação, a Barbie e seu fabricante terão de enfrentar o lançamento iminente de "Toy Monster: The Big, Bad World of Mattel" ("O monstro dos brinquedos: o grande e malvado mundo da Mattel", numa traduçãol livre). O autor deste livro, Jerry Openheimer, revela, entre outras coisas, a vida sexual de Jack Ryan, o engenheiro que criou a Barbie e o Ken.



fonte:UOL Crianças

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Carnaval 2009

Vik Muniz que me perdoe, mas não tenho fôlego pra tanto, nem consigo estar em mais de um lugar ao mesmo tempo. Eu estava desanimada, mas é Carnaval. Rendi-me!!!









fonte:Euzinha

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Estudantes criam esculturas a partir de armas no Iraque

Um projeto conjunto entre uma ONG iraquiana e a Universidade de Bagdá promove a criação de esculturas a partir de armas apreendidas no Iraque, um dos países mais perigosos do mundo.



As esculturas são feitas a partir dos metais de armas leves, como fuzis AK-47 e pistolas, e também peças de armamentos mais pesados, como lançadores de granadas e morteiros.

Graduandos da Faculdade de Artes da Universidade de Bagdá recebem o material da ONG IMCO, especializada em desativar minas terrestres e explosivos e destruir armas apreendidas pelas forças militares iraquianas e americanas.



O diretor da IMCO, Zahim Mutar, disse que o projeto começou em novembro do ano passado quando foram apreendidas cerca de 10 mil armas em cinco semanas de operações. Em média, são destruídas 800 armas por dia.

Segundo ele, há muitos projetos de destruição de armas em vários países, mas este seria o primeiro a transferir as peças para o incentivo à cultura.

"Para nós isto simboliza um novo Iraque, a transformação de meios de destruição e morte em algo que incentive a cultura e a paz", disse Mutar.

Ele também revelou que o projeto prevê mais treinamento para os artistas, para que assim eles possam vender suas obras.

As esculturas criadas vão desde animais e veículos até ícones da história iraquiana.

"Estamos organizando para o mês de abril uma exposição com todos os trabalhos feitos pelos graduandos da universidade", completou. O dinheiro arrecadado, segundo Mutar, será revertido para orfanatos e para o tratamento de crianças feridas por bombas ou minas terrestres.

Armas
A IMCO foi fundada no final de 2003, após a invasão do Iraque por forças lideradas pelos Estados Unidos.



O Departamento de Estado americano envia fundos para a ONG, mas, de acordo com Mutar, a entidade opera com independência e todos seus funcionários são iraquianos. "Nossa missão é apenas limpar o país de minas terrestres e outros explosivos, além de destruir os armamentos apreendidos pelos governos iraquiano e americano", explicou Mutar.



Ele disse que o projeto de transformar as sobras de armamento em arte surgiu a partir da necessidade de reeducar as pessoas para os perigos da guerra que aflige o país. As armas chegam ao depósito da IMCO na "zona verde", uma área em Bagdá de alta segurança e onde ficam vários prédios do governo iraquiano. No prédio da entidade, há uma máquina hidráulica que corta as armas para que sejam enviadas às oficinas de arte da universidade.

"Algumas destas esculturas fazem parte da própria decoração da sede da IMCO em Bagdá", enfatizou Mutar.


fonte:BBC Brasil

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Para quem não gosta de Carnaval II

Exposição do artista Vik Muniz no MAM - Rio


O Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro abriga, até o dia 8 de março, a mostra Vik, a maior exposição já dedicada à sua obra, reunindo 131 de seus trabalhos. Vik segue depois para o Masp (Museu de Arte de São Paulo), onde estréia em 23 de abril.



Vik Muniz tem 47 anos e construiu uma carreira singular. Há 25 anos radicado em Nova Iorque, ele conseguiu atrair a atenção da comunidade artística internacional com fotografias de trabalhos realizados a partir de técnicas variadas e materiais quase sempre inusitados – como a Mona Lisa feita de pasta de amendoim, o Che Guevara desenhado em geléia ou o retrato de Elizabeth Taylor montado a partir de centenas de pequenos diamantes.

Recentemente, o artista construiu uma série de imagens feitas a partir de lixo. A originalidade de sua obra lhe garantiu reconhecimento da crítica e o estabeleceu como um dos criadores mais incensados da arte contemporânea. A exposição Vik já passou por cidades americanas como Nova Iorque (MoMA – Museu de Arte Moderna) e Miami (Miami Fine Arts Museum), além de Canadá e México.

Com mais de 120 trabalhos que abarcam do início de sua carreira, no fim dos anos 1980, até os dias de hoje, Vik – realizada por Aprazível Edições e Arte – é a maior exposição já dedicada ao artista. Depois de passar pelos Estados Unidos, Canadá e México, ela chega ao Brasil no momento em que Vik atinge o ápice de seu reconhecimento, tornando-se um dos artistas brasileiros mais consagrados no cenário internacional.



A exposição funciona de terça a sexta-feira até 8 de março, das 12h às 18h, e aos sábados, domingos e feriados, das 12h às 19h. Os ingressos custam R$ 8 (estudantes, maiores de 60 anos e crianças até 12 anos em grupos – mais de cinco por responsável – pagam meia). O MAM fica na Avenida Infante Dom Henrique, 85.

MAM - Rio


fonte:MAM - Rio

Pra quem não gosta de Carnaval I

Pintura intensa de Jorginho Guinle ganha mostra no MAM


Em um dia qualquer nos anos 80, Vanda Mangia Klabin entrou despreocupadamente no bar Lagoa, um dos mais tradicionais do Rio, famoso por seus garçons mal-humorados. Deu de cara com seu amigo Jorge Guinle, que almoçava em uma das mesas.


"Não me esqueço. Ele estava completamente coberto por tinta, incluindo o livro que ele lia durante a refeição. Jorge era assim, vivia a pintura de modo muito intenso", conta ela, hoje curadora de "Jorge Guinle - Belo Caos", que é aberta amanhã no MAM-SP (Museu de Arte Moderna de São Paulo). "O ateliê dele [em Copacabana] também sintetizava sua forte relação com a pintura. Mal dava para entrar, o rastro das tintas já começava fora. E, dentro, nada escapava dos respingos."

Tal vigor pictórico está presente na exposição do museu paulistano, com 54 trabalhos, entre pinturas e desenhos, 18 a mais que na mostra apresentada na Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre, no ano passado. Depois da morte de Guinle, em 1987, é a primeira grande retrospectiva em SP dedicada ao artista nascido em Nova York e que tornou-se um dos principais nomes do lado carioca da geração 80.

"Acho que a exposição traz um pouco do clima dos anos 80, quando a pintura é revalorizada aqui e lá fora. E houve a Bienal da "grande tela" [em 1985]", afirma Klabin, que assina a curadoria da exposição junto do crítico de arte e professor da PUC-Rio Ronaldo Brito. "Mas hoje há toda uma nova geração de pintores, que pode ter em Guinle uma forte influência."

Sete anos,




De acordo com Brito, o recorte da exposição se concentra na produção de Guinle nos anos 80 porque sua produção anterior ainda era "incipiente". "A obra de Guinle só vai ganhar estatura e solidez entre 1981 e 1987, um curto período, mas de grande densidade e produção", diz ele, amigo do artista desde que ambos faziam o curso clássico no Liceu Franco-Brasileiro, em Laranjeiras, no Rio.

Quadros como "Florescer" (1981), para Brito, sintetizam a primeira grande fase de Guinle, quando ainda há alguma figuração. A pintura também tem "respiro" e é mais plana.

A fase seguinte, que vai deixar Guinle famoso a partir da participação na 17ª Bienal de São Paulo, em 1983, é a que tem as telas de maiores dimensões --algumas, como "1984", têm 3,40 m de largura-- e um estilo mais carregado. "É quando a obra de Guinle explode. Tudo fica mais matérico, a pintura adquire quase um componente corpóreo", diz Brito. "Ele é um dos grandes coloristas da arte brasileira. Sua obra relê de Matisse a Philip Guston."

A mostra é encerrada com telas da última fase de Guinle, como "O Manto" (1987), em que a tinta escorre pela superfície da tela. "É como uma pintura interrompida. Percebe-se como ele iria longe", avalia Brito.

Jorge Guinle - Belo Caos
Quando:
abertura amanhã, às 20h (convidados); de ter. a dom., das 10h às 18h; até 22/3
Onde: MAM-SP (pq. Ibirapuera, portão 3,
Quanto: R$ 5,50
Informações: tel. 0/xx/11/5085-1300); livre


fonte:UOL

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009



Quero conhecer essa tua janela
abri-la, escancará-la de par em par
para que tu, ao abeirares-te dela
possas sorrir, talvez até cantar

Porque de janelas fechadas não gosto
e porque o sol e a lua devem entrar
deixarei que saboreies este mosto
que daqui a pouco começa a fermentar

Na janela de onde não vês o rio
deixarei o cheiro e o sabor a mar
sei que amanhã pode fazer frio
mas tens o meu braço pra te agasalhar


Maria
foto: Christian Coigny

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Um lugar lindo












fonte:arquivo pessoal e Google

Alfama

Adoro essa música.




fonte:YouTube

Saudades





fonte:YouTube

Frio



Escultura de neve em formato de uma muralha da Coreia do Sul danificada em 2008 é apresentada no festival de neve de Sapporo, no Japão.

n.r.: deve ter dado um trabalhão.


fonte:UOL

Música

A música é uma delícia, Elis, não precisa de apresentações.

Ando com a alma assim, meio sem paciência pra pular feito doida e ser agarrada sem que tenha dado permissão num Bloco de Carnaval. Acho que vou virar fã da TV nesse Carnaval.




fonte:YouTube

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Homens suspeitam de mulheres com queixo largo, diz estudo

Gosto muito da BBC porque é usual por ali a publicação de notícias sobre estudos científicos. Acho tão fascinante, que uma certa altura cheguei a ficar viciada e postava todos aqui no Nuvens. Curei-me em parte, continuo lendo-os, rindo muito mas me contenho porque vocês que passam por aqui merecem notícias mais diversificadas.
O que vem a seguir é interessantíssimo e preocupante! Não temam! Ivo Pitanguy e seus seguidores fazem milagres, enquanto há vida e cirurgiões plásticos, há solução!

. . .


Mulheres de queixos mais largos são vistas por homens como mais propensas a ser infiéis, sugere um estudo de universidades dos Estados Unidos e Canadá.

Segundo os pesquisadores, essas mulheres seriam sexualmente mais ativas e, ao mesmo tempo, menos atraentes para homens que buscam uma relação estável.

A pesquisa, publicada na revista especializada Personality and Individual Differences, foi feita com base em entrevistas realizadas com grupos de mulheres e homens.

As mulheres foram questionadas sobre seus hábitos e fantasias sexuais. Os homens receberam fotos dessas mesmas mulheres e as classificaram pelo potencial de serem vistas como parceiras estáveis.

Os resultados indicaram que as mulheres com queixos mais largos são sexualmente mais ativas do que as de queixos mais delicados. Os pesquisadores concluíram também que, para os homens, as mulheres passam uma imagem de serem pouco confiáveis e que, por isso, estariam menos propensas a serem consideradas como parceiras estáveis.

Testosterona

Queixos largos em mulheres são freqüentemente vistos como sinais de altos níveis do hormônio masculino testosterona, presente em diferentes quantidades em todas as mulheres.

Os altos níveis do hormônio também explicam o comportamento sexualmente mais agressivo - comparável ao dos homens - em certas mulheres.

Segundo os cientistas, a tendência vista nos homens de rejeitar mulheres com queixos maiores por medo de serem traídos seria uma reação ligada ao desejo evolutivo masculino de ter uma parceira que produza filhos de apenas um pai.

“As descobertas são importantes para demonstrar que as percepções que os homens têm das mulheres como parceiras desejáveis e confiáveis a longo prazo podem ser colhidas na observação dos traços faciais delas”, diz o estudo.

“Os resultados sugerem que a informação sobre a disponibilidade sexual de uma mulher, que é relacionada ao risco de infidelidade, pode ser potencialmente mostrada pela masculinidade do rosto feminino.”

Segundo Lorne Campbell, uma das psicólogas que participou do estudo, “é difícil esconder características físicas, como as faciais, que são parcialmente governadas pela testosterona e são ligadas ao histórico e atitudes sexuais de uma pessoa”.

“A pesquisa é a primeira de que temos conhecimento a sugerir que uma aparência facial mais masculina em mulheres pode mostrar sua disponibilidade sexual e talvez sua qualidade como parceira de longo-prazo”, disse ela.

n.r.: A menina da foto é Emily Deschanel protagonista da série ¨Bones¨, lembrei-me logo dela, tenho ótima memória visual, nunca me esqueceria de um queixo largo assim.


fonte:BBC Brasil

Do Bem e do Mal


No fundo, não há bons nem maus. Há apenas os que sentem prazer em fazer o bem e os que sentem prazer em fazer o mal. Tudo é volúpia...


Mario Quintana
Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.