segunda-feira, 19 de janeiro de 2009


Interseções


Ralei osso madrugada toda.
Amanheci diagrama.
Interseções da gente
são nossos ideais.
As outras partes
nossas distâncias:
solidão cheia de sol.
Chover pra que se tenho lágrimas?
Inundo palavra-rio-arredores.
Razão não é ter água pelas canelas.
São profundezas fósseis de minhas dores.
Cultivo o tempo em jardins públicos de praças.
meu regador é aquilo que sou:
restos mortais
chão de clarear estrelas...


Flávia Muniz in Boa tarde, Senhor Smith!
foto: Stalker

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.