segunda-feira, 12 de maio de 2008


Cantares do Ofício de Cantar

III



Se queres saber onde começa e onde acaba a tua vida,
não procure à superfície dos dias
nem no trabalho onde consomes
pétala a pétala
a flor do tempo.
Se queres saber onde repousa a tua vida
as margens,
ah, busca as margens do dia.
Levanta as franjas da madrugada – pálpebra –
e debruça-te sobre o poço,
sobre a fonte que alimenta o rio – olho d’água.
Ali, no miolo do tempo,
nas esquinas da noite,
nos degraus da ventania,
encontrarás teu coração
pulsando amargo e alegre
no escuro.


Lucia Fonseca in Diversos Afins
foto: Nicola Novotny

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.