quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

Anish Kapoor - CCBB e Viaduto do Chá - S.Paulo

Depois de passar em 2006 pelos CCBBs do Rio de Janeiro e de Brasília, "Ascension", do indiano Anish Kapoor ganha em São Paulo proporção de obra pública e urbana, ambientada embaixo do Viaduto Chá, no Vale do Anhangabaú. Além de "Ascension", a mostra apresenta mais oito trabalhos de grandes dimensões de Kapoor.



A obra, uma metáfora do episódio narrado na Bíblia sobre a ascensão de Cristo, comporta uma coluna de fumaça de 8 metros de altura que se ergue longitudinalmente circundada por uma estrutura física em espiral. As paredes curvadas permitem a circulação do ar de um exaustor e dão ao trabalho o aspecto fluido e etéreo. As especificidades da montagem em Brasília e São Paulo trouxeram a adição de um pavilhão de vidro de 400 m² no entorno da instalação, que não havia sido concebido originalmente.



ASCENSION - ANISH KAPOOR
» Quando:
25/1 a 1º/4. Terça a domingo, das 9h às 20h.
» Onde: Exposição "Ascension" - CCBB-SP
R. Álvares Penteado, 112 - Centro.
» Informações: (11) 3113-3651/ 3652



Instalação "Ascension"
Viaduto do Chá - Centro.
Funcionamento: terça a domingo, das 9h às 18

» Quanto:
Grátis



fonte:UOL

segunda-feira, 29 de janeiro de 2007


Gosto da mulheres que envelhecem


Gosto das
mulheres que envelhecem,
com a pressa das suas rugas, os cabelos
caídos pelos ombros negros do vestido,
o olhar que se perde na tristeza
dos reposteiros. Essas mulheres sentam-se
nos cantos das salas, olham para fora,
para o átrio que não vejo, de onde estou,
embora adivinhe aí a presença de
outras mulheres, sentadas em bancos
de madeira, folheando revistas
baratas. As mulheres que envelhecem
sentem que as olho, que admiro os seus gestos
lentos, que amo o trabalho subterrâneo
do tempo nos seus seios. Por isso esperam
que o dia corra nesta sala sem luz,
evitam sair para a rua, e dizem baixo,
por vezes, essa elegia que só os seus lábios
podem cantar.



Nuno Júdice
"Comparisons, 1892" - Sir Lawrence Alma-Tadema
(pintor holandês/inglês, Neo-classicismo Victoriano)
1836-1912

Niemeyer é 100!

A escultura "Uma Mulher, uma Flor, Solidariedade"do arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer será inaugurada amanhã, em Paris, com a presença do prefeito da cidade, Bertrand Delanoë, e a embaixadora brasileira na França, Vera Pedrosa. A obra ficará instalada no parque Bercy, na saída da passarela Simone de Beauvoir, que atravessa o rio Sena e une o parque à Biblioteca Nacional da França. A passarela, projeto do arquiteto austríaco radicado na França Dietmar Feichtinger, foi inaugurada no fim do ano passado.

A escultura de Niemeyer, com seis metros de altura e onze de comprimento, foi planejada para constar da programação do Ano do Brasil na França, em 2005, e teve patrocínio do Carrefour. Por conta dos atrasos, ela "passou a fazer parte das festividades do centenário do Niemeyer", conta o produtor brasileiro Emílio Kalil.

Para o arquiteto, a obra é "uma nova forma de apresentar meu conhecimento de escultura, não é um trabalho figurativo, mas ele lembra a forma de uma flor e de uma mulher". Em Paris, ele também é autor da sede do Partido Comunista Francês, obra iniciada em 1967, que possui uma cúpula no estilo do Congresso Nacional, em Brasília, e de um edifício sinuoso, que lembra o Copan, em escala menor.

Niemeyer viveu em Paris na época da concepção do projeto. "Nunca vou esquecer os anos que passei na França, pois ficava nos cafés vendo as turmas mais exóticas e as mulheres mais lindas caminhando", disse o arquiteto, que tem mais de 600 projetos realizados em diversas partes do mundo.



fonte:Folha Online

"Volver" ganha prêmio Goya de melhor filme

"Volver", de Pedro Almódovar, ganhou o Goya, o Oscar do cinema espanhol. A atriz Penélope Cruz também ficou com o prêmio de melhor atriz em uma cerimônia de gala realizada na noite de domingo em Madri.

No total "Volver" ficou com cinco prêmios Goya, incluindo o de melhor diretor e o de atriz coadjuvante para Carmen Maura.

Juan Diego recebeu o Goya de melhor ator por "Vete de Mí", enquanto o argentino "Las Manos" foi escolhido como o melhor filme estrangeiro de língua espanhola.

"O Labirinto do Fauno", uma das produções favoritas com 13 indicações, foi um dos grandes vencedores da noite com sete prêmios, incluindo o de atriz revelação para Ivana Baquero. "Alatriste" acabou com três prêmios Goya dos 15 a que foi indicado, enquanto "Salvador" recebeu um, o de melhor roteiro adaptado.

Na categoria de filme europeu quem ganhou foi "A Rainha", de Stephen Frears, com a atriz Hellen Mirren no papel da monarca britânica.

Me lembro de estar assistindo e depois não me lembro de mais nada, provavelmente caí para o lado e dormi, ou será que não? Não lembro nadica de nada, domingo é um dia estranho para mim, sempre foi.



fonte:Reuters

sábado, 27 de janeiro de 2007

Tolerância Intolerável

por Cássia Almeida


"Com uma regularidade quase diária, os jornais estampam notícias sobre assassinatos e agressões contra mulheres, praticados por maridos, ex-maridos, amantes, ex-amantes, namorados, ex-namorados. Diante da tanta violência que já levou à morte mais de 300 mulheres em Pernambuco no ano passado, a ponto de provocar uma manifestação que tomou as ruas de Recife, o que mais me espanta é a indulgência da sociedade em pleno século XXI, com esse tipo de crime. Nas palavras, a condenação aparece fortemente, mas nas atitudes ainda se percebe a tolerância. Nos últimos meses, três casos chamaram a atenção.

Vendo pela TV, em tempo real, o camelô André Luís Ribeiro da Silva espancar em praça pública sua ex-mulher, acusando-a de adultério, dava para perceber como a sociedade é benevolente com os crimes passionais. Parecia que o seqüestrador do ônibus 499 não representava um risco para a população, somente para a vítima, apesar dele ter feito 55 reféns. Quando os passageiros do ônibus seqüestrado deram seu testemunho na Justiça essa impressão ficou clara com água.
- A agressão foi só no começo, depois ele ficou mais calmo e liberou a saída de todo mundo, mas a gente preferiu ficar para ele não morrer. O André errou, vai pagar, mas não é nenhum monstro. Fez tudo por amor - disse uma testemunha.



Por amor, ele quebrou a golpes de revólver a mandíbula da mulher, depois de já tê-la mantido em cárcere privado, provocando um trauma profundo na mãe de seus três filhos, de 9, 7 e 5 anos. A decisão da testemunha - uma mulher, que parece ser bem intencionada e contra a violência - de permanecer no ônibus foi para ele não ser morto pela polícia. Nesse caso, a única vítima era a mulher.

A sociedade apenas assistia.

Fica a sensação que ainda prevalece, apesar da rejeição à violência, a cultura de que a mulher é propriedade do homem, portanto, ele pode impor sua vontade. Quando é desobedecido, a agressão é a resposta. Uma cultura tão arraigada que atos de violência ainda são considerados, por muitos, um ato de amor. E escuta-se, com frequência indesejada, que o comportamento da vítima justificou a agressão.

Esse foi o caso da manicure Anglais Pereira de Oliveira, assassinada em Botafogo. Em dezembro, a manicure foi morta a facadas pelo ex-marido, de quem já estava separada há dois anos. Ter ido ao baile e estar com outra pessoa foi o motivo dado pelo assassino para matar a mãe de dois filhos seus. "Se você não ficou comigo, não ficará com mais ninguém", teria dito o ex-marido. Uma colega de trabalho de Anglais se revoltou quando escutou de outro colega a declaração:
- Não estou defendendo ele, mas, se ela sabia que tinha problemas, tinha de ficar em casa e não ficar procurando problemas, e também parece que ela arranjou um namorado.

A culpa de ter levado quatro facadas, duas quando já estava no chão, era da própria vítima naquela cabeça machista.

No último dia 16, foi a vez de Rosilene Miranda dos Santos encontrar a morte no revólver do também ex-marido.
- Eu matei porque fui traído - alegou o assassino.



Eu poderia relacionar mais uma dezena de casos, inclusive mais recentes. Na maioria, o crime foi apenas ousar mudar de vida. Ainda hoje, as mulheres se envergonham de apanhar dos maridos, como se a culpa da violência fosse delas. Uma visão truncada que certamente toda a sociedade ajudou a construir. Casos se sucedem como uma rotina cruel, e ainda não conseguimos considerar esse crime como hediondo em nossos corações.

Homens que matam suas mulheres são, sim, ameaça para toda a sociedade. Podem matar nossas irmãs, filhas, mães, qualquer mulher ou criança que passe pela vida deles e resolva enfrentá-los. A covardia sempre marca esse tipo de agressão.

Não existe amor nessa violência, só sensação de propriedade, de poder masculino que todas as conquistas da mulher no mercado de trabalho, na educação, não conseguiram extirpar da sociedade brasileira."

Jornal "O Globo", 27 de janeiro de 2007.



É inadmissível que a sociedade continue encontrando desculpas que justifique a violência de um homem contra uma mulher e muito mais nojento, porque o fato me causa asco, que mulheres de diferentes classes econômicas e idades, incluindo as que possuem um elevado nível de cultura, possam, ainda, fazer parte de um número grande de pessoas que justificam a covardia machista.
Quando Cássia Almeida se refere a uma manifestação que houve nas ruas de Recife, fica mais fácil imaginar a quantidade de casos que não vem à público.
Nenhum ser humano merece apanhar, nem sofrer algum tipo de violência psicológica, não há que ter tolerância quanto ao fato, não há que ter desculpas, nada é justificável. A atitude da sociedade têm de ser mudada, principalmente a das mulheres que precisam gritar ao mundo esse tipo de agressão que vêm sofrendo há anos. Os homens que batem em mulheres, ex-mulheres, filhas, namoradas e ex-namoradas são misóginos, um bando de doentes, e na maioria dos casos se tornam assassinos. Têm de ser punidos severamente por leis, que não precisariam ser específicas, já que o parentesco ou a "amizade" não podem influenciar na pena a ser imposta a um covarde que agride. Essa indignação não é ideológica e não pode ser confundida com uma luta feminista. Não tenho ódio de homens, nem posso considerá-los todos iguais, porque obviamente, não são. Não é possível continuar ouvindo que essas agressões são apenas um erro passageiro, como se tratasse de um tropeção que não irá se repetir, esses covardes arranjam motivos para agredir novamente. Não sou capaz de explicar em palavras o que sinto ao ouvir uma mulher ser condescendente com um homem que é agressor. Se o contrário - mulher agredir um homem - fosse tão corriqueiro, minha indignação seria a mesma. Mas os homens têm sempre maior força física do que as mulheres. Portanto insisto na covardia. E para as/os mais flexíveis, não custa nada tentá-los recordar que em nenhum esporte um homem ou um grupo deles é visto competindo com mulheres. Denunciem!




Cássia Almeida é jornalista
fotos:*evil stuff, de Calvato

sexta-feira, 26 de janeiro de 2007

Homenagem à Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim

Tom Jobim poderia ter sido arranjador se quisesse, preferiu a composição. No início de sua carreira criou peças e arranjos orquestrias para teatro, cinema, inclusive outros intérpretes. Seu talento foi e continua reconhecido no Brasil e no exterior. Se estivesse vivo, teria feito 80 anos. No próximo domingo, na Rede Globo passará um especial sobre Antonio Carlos Jobim. Sou uma entre muitos que gostam da sua música. Escolhi "Dindí" para esse final de sexta-feira.



Céu, tão grande é o céu
E bandos de nuvens que passam ligeiras
Prá onde elas vão, ah, eu não sei, não sei
E o vento que fala das folhas
Contando as histórias que são de ninguém
Mas que são minhas e de você também
Ai, Dindí
Se soubesses o bem que eu te quero
O mundo seria, Dindí, tudo, Dindí, lindo, Dindí
Ai, Dindí
Se um dia você for embora me leva contigo, Dindí
Olha, Dindí, fica, Dindí
E as águas desse rio
Onde vão, eu não sei
A minha vida inteira, esperei, esperei por vo...cê, Dindí
Que é a coisa mais linda que existe
É você não existe, Dindí



Tom Jobim
foto:Tamara Loncar

quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

Lua Fora de Curso

Você acredita que a Lua pode influenciar a sua vida?


Não se assustem, não há previsões catastróficas sobre um choque desse imenso satélite contra a Terra. Menos ainda, que passe por problemas de depressão por ver tantas barbaridades que acontecem neste nosso planeta e tenha sucumbido a um pití que a deixou fora de órbita ou de curso.

Lua Fora de Curso é somente uma configuração denominada pela astrologia que ocorre várias vezes durante o ano, podendo durar de apenas alguns minutos a dois dias. Nesses momentos, o astro ao transitar pelo céu não forma nenhum ângulo com os outros planetas do sistema solar. Simbolicamente, é como se a Lua estivesse desconectada, sem rumo, e caísse numa espécie de vácuo, assinalando um período infrutífero.

Segundo especialistas, durante esses períodos é desaconselhável começar novos empreendimentos, fazer negócios e promover mudanças importantes. Nessas horas, nossas iniciativas costumam não dar resultado ou vêm acompanhadas de contratempos que, em outras épocas, não ocorreriam.

Na astrologia, a Lua rege nossas emoções e humor e, quando ela está fora de curso, podemos optar por caminhos equivocados, pois nos falta clareza para avaliar as questões. Ou então ficamos meio perdidos, sem saber bem o que queremos. Por exemplo, depois de fazermos uma compra, podemos nos arrepender amargamente ou descobrir que o produto veio com defeito. Problemas com documentos, confusões e mal-entendidos no trabalho, transtornos em viagens e imprecisões em diagnósticos são fatos corriqueiros durante a Lua Fora de Curso.

Considera-se que a Lua está em repouso durante essas configurações. Portanto, é interessante aproveitar esses intervalos para meditar, fazer autoavaliação, assimilar experiências e apenas estruturar as novas ações. Cautela e canja de galinha nunca fizeram mal,, portanto tirem esse período para lagartear sob o sol, que parece finalmente se instalar no sudeste deste país tropical.


fonte:Bons Fluidos

Dragão virgem dá à luz

Flora, um dragão de Komodo fêmea que nunca se acasalou ou mesmo conviveu com um macho, tornou-se mãe e pai de cinco filhotes, nesta semana, afirmaram cientistas britânicos na quarta-feira. Os pesquisadores anunciaram em dezembro, na revista Nature, que Flora havia fertilizado seus ovos sozinha, sem a contribuição de qualquer macho, em um processo conhecido como partenogênese ou "nascimento virgem".

"Quando o primeiro dos bebês saiu do ovo, não sabíamos se deveríamos dar uma xícara de chá para Flora ou dividir com ela um charuto", afirmou Kevin Buley, curador do zoológico Chester Zoo, na Inglaterra, onde vivem o animal e sua cria. Flora e seus filhotes passam bem.

Outras espécies de lagarto podem fertilizar seus próprios ovos por meio da partenogênese, mas Buley e sua equipe disseram que essa era a primeira vez que o processo acontecia com dragões de Comodo, os maiores lagartos do mundo. Dois ovos fertilizados continuam na incubadora do zoológico.

Os filhotes de Flora mediam entre 40 e 45 centímetros e pesavam até 125 gramas quando saíram dos ovos. Eles estão sendo mantidos em uma área especial do zoológico, com uma dieta à base de grilos e gafanhotos.

O dragão de Komodo (varanus komodoensis), como outros membros da família dos lagartos gigantes habita o planeta há centenas de séculos. Encontrado na ilha de Komodo, na Indonésia, e em algumas ilhas circunvizinhas, ele é o maior de todos os lagartos atuais. Guloso e carnívoro, come veados, macacos, cabras e porcos selvagens. Também gosta muito de carniça e é capaz de dar conta de uma carcaça inteira de búfalo. Mas o dragão-de-komodo também come animais vivos. Derruba a vítima com sua forte cauda e corta-a em pedaços com os dentes. Costuma comer primeiro a língua e as entranhas, suas partes preferidas.

No fim da estação das chuvas, a fêmea põe cerca de 25 ovos na areia. Os ovos se abrem depois de 6 a 8 semanas. Ao nascer, os dragõezinhos têm de 20 a 25 cm de comprimento. Existem outras espécies de lagartos gigantes, como o lagarto do deserto, que é um animal terrestre, e o lagarto do Nilo, que é um anfíbio. Vivem na África, sul da Ásia, Indonésia e Austrália. Variam muito de tamanho. O menor deles apresenta apenas 20 cm de comprimento.



fonte:Reuters e Saúde Animal

quarta-feira, 24 de janeiro de 2007

A festa começa hoje

453 anos São Paulo


Aniversário de SP tem shows a partir de hoje em diversos pontos


Hoje começa a festança para a comemoração dos 453 anos da cidade de São Paulo (que serão completados amanhã) e irá animar os paulistanos em diversos pontos da capital.

A partir das 14h, um grande baile de idosos em homenagem ao dia do aposentado. Um telecentro será instalado especialmente no local para uso livre dos visitantes da festa. A partir das 21h, começam as apresentações de bandas e artistas como Clube do Balanço, Z'África Brasil e DJ Patife.

Também amanhã, o Memorial da América Latina receberá a Orquestra Jazz Sinfônica, que inicia a sua temporada 2007 homenageando Tom Jobim, que completaria 80 anos de vida. A apresentação gratuita ocorre às 21h no Auditório Simón Bolívar.

A regência da noite será compartilhada por Cyro Pereira e Fábio Prado. Estão no repertório "Poema para o Tom", "Pato Preto", "Samba do Avião", "Eu Sei que Vou te Amar", "Demais", "Surfboard", "Passarim", "Chovendo na Roseira", "O Homem", "Jobimniana" (de Cyro Pereira) e "Fantasia Sinfônica sobre Temas de Tom Jobim".

O Mercado Municipal também festeja o aniversário da cidade. Hoje, a programação começa às 21h e invade a madrugada (à meia-noite haverá uma grande queima de fogos, com a presença do prefeito Gilberto Kassab). Na quinta-feira, o especial de aniversário acontece das 11h às 16h. A entrada é gratuita nos dois dias.

Mais informações aqui!



fonte:Folha Online

Vida

Tubarão Cobra




Tubarão-cobra (Chlamydoselachus anguineus ) é fotografado em parque em Numezu, ao sul de Tóquio; raramente fotografado vivo, ele tem seu habitat a 600 metros do nível do mar.


Rinoceronte de Proveta




Filhote de grande rinoceronte branco (Ceratotherium simum) nasce em zoológico em Budapeste, na Hungria; segundo o zôo, é o primeiro da espécie a ser gerado por inseminação artificial.


fonte:UOL

segunda-feira, 22 de janeiro de 2007


Belo Belo


Belo belo belo,
Tenho tudo quanto quero.

Tenho o fogo de constelações extintas há milênios.
E o risco brevíssimo - o que foi? passou! - de tantas estrelas cadentes.

A aurora apaga-se.
E eu guardo as mais puras lágrimas da aurora.

O dia vem, e dia a dentro
Continuo a possuir o segredo grande da noite.

Belo belo belo,
Tenho tudo quanto quero.

Não quero o êxtase nem os tormentos.
Não quero o que a terra só dá com trabalho.

As dádivas dos anjos são inaproveitáveis:
Os anjos não compreendem os homens.

Não quero amar,
Não quero ser amado.
Não quero combater,
Não quero ser soldado.

- Quero a delícia de poder sentir as coisas mais simples.


Manuel Bandeira
foto:"The Son of a Man - 1964", René Magritte

"Os Lusíadas" desconhecido do público

Um cofre climatizado guarda uma das principais raridades do acervo da Biblioteca Pública de Ponta Delgada (Açores): um dos seis exemplares da primeira edição de "Os Lusíadas", de 1572, e que permanece desconhecido do grande público.

Diante de sua raridade e valor histórico, a obra maior do poeta luso Luís Vaz de Camões, que narra os feitos dos descobrimentos portugueses, está "cercada de cuidados", explicou, à Agência Lusa, Francisco Silveira, o responsável pelas coleções particulares da única biblioteca nos Açores a dispor de um exemplar tão raro da obra.

Sem nenhum pedido de consulta em 2006, esta edição de "Os Lusíadas" tem sido, ao longo dos anos, apenas solicitada por pesquisadores e estudiosos, a maioria dos quais professores universitários.

Apesar da fragilidade, o livro, de 18 centímetros de altura, editado em Lisboa, "está em bom estado de conservação", assegurou Silveira, ao adiantar que o exemplar poderá ser consultado pelo público, mas com certas regras a cumprir.

Composto por dez cantos, 1.102 estrofes e 8.816 versos, a obra pode ser consultada depois de preenchida uma ficha, como acontece com os outros livros da biblioteca, embora o requerente tenha de justificar, por escrito, o propósito da consulta.

"O objetivo de uma biblioteca é facultar o acesso a todos os documentos e livros que a instituição possui, claro que com regras mais rígidas para edições mais importantes", afirmou Silveira.

Apesar de disponível, é, ainda, "rara" a requisição desta edição de "Os Lusíadas" nos Açores, por desconhecimento de sua existência em Ponta Delgada.

Um desconhecimento que não incomoda o responsável pelas coleções particulares da Biblioteca Pública, até porque o local não implementou ainda a utilização de luvas para manusear os livros mais valiosos ou de maior interesse histórico de seu acervo.

Silveira explica que a transpiração pode deteriorar o papel, e que por isso há de se ter "mil e um cuidados" quando alguém requisita esta edição rara da obra portuguesa, publicada três anos após o retorno de seu autor do Oriente.

A primeira edição de "Os Lusíadas" faz parte dos cerca de 18 mil títulos da biblioteca pessoal de José do Canto, que reúne livros do século 15 ao 19, adquiridos em maio de 1942 pela instituição.

"Trata-se de uma das mais valiosas coleções privadas, seja pela raridade das espécies bibliográficas ou pela coleção camoniana, considerada por especialistas a segunda maior em nível nacional", afirmou Francisco Silveira.

Para facilitar e generalizar o acesso das obras mais consultadas e de maior valor histórico, a Biblioteca Pública de Ponta Delgada está digitalizando seus títulos, em um serviço que deverá ser disponibilizado, parcialmente, ainda este ano.

Como o mínimo de recursos disponíveis, como as luvas para o manuseamento de livros raros ainda não foi implementado pela Biblioteca Pública, quero acreditar que seja apenas por falta de recursos. Não é objetivo de uma Biblioteca apenas guardar livros, isso é competência de um Arquivo. Enquanto não acontece, estudantes, pesquisadores e historiadores ficarão aguardando ansiosos pela possibilidade de ter acesso a todos esses livros de grande valor histórico.


fonte:Agência Lusa

Vida e morte de Kurt Cobain em longa-metragem

"Heavier Than Heaven - A Biography of Kurt Cobain"


É o nome do livro do jornalista Charles R. Cross, que relata a morte de Kurt Cobain (Nirvana). Se não tivesse se suicidado, Kurt Cobain teria morrido de overdose de heroína naquela manhã de 5 de abril de 1994. Esta é uma das principais revelações da biografia "Heavier than Heaven", que acaba de ser lançada nos EUA.

Antes de puxar o gatilho da espingarda que arrebentou o céu de sua boca e o matou aos 27 anos, o líder do Nirvana e uma das mais famosas estrelas do rock havia injetado em seu braço US$ 50 de heroína mexicana, o suficiente para matá-lo em poucas horas.

O ator Ewan McGregor, é o provável intérprete de Kurt Cobain (1967-1994) nos cinemas. Ele é tido como o "número um" para o papel na lista de preferência da viúva do músico, Courtney Love, que comprou os direitos autorais do livro de Cross, no qual será baseado o filme.

Se a escolha se confirmar, este não será o primeiro papel de um músico na carreira de McGregor. O escocês já viveu um artista do glam-rock chamado Curt Wild em "Velvet Goldmine", filme inspirado no personagem Ziggy Stardust, criado por David Bowie.

O ator despontou no cinema com "Cova Rasa" (1994) e se tornou mais conhecido com "Trainspotting - Sem Limites" (1996). Seus trabalhos incluem ainda "Moulin Rouge - Amor em Vermelho" (2001), "Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas" (2003), a nova trilogia de "Star Wars" e, recentemente, "Miss Potter" (2006) e "Alex Rider Contra o Tempo" (2006).



fonte:Folha Online

domingo, 21 de janeiro de 2007


Mulheres de Atenas


Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Vivem pros seus maridos
Orgulho e raça de Atenas

Quando amadas se perfumam
Se banham com leite, se arrumam
Suas melenas

Quando fustigadas não choram
Se ajoelham, pedem imploram
Mais duras penas, cadenas


Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Sofrem pros seus maridos
Poder e força de Atenas

Quando eles embarcam soldados
Elas tecem longos bordados
Mil quarentenas

E quando eles voltam, sedentos
Querem arrancar violentos
Carícias plenas, obcenas


Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Despem-se pros maridos
Bravos guerreiros de Atenas

Quando eles se entopem de vinho
Costumam buscar um carinho
De outras falenas

Mas no fim da noite, aos pedaços
Quase sempre voltam pros braços
De suas pequenas, Helenas


Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Geram pros seus maridos
Os novos filhos de Atenas

Elas não tem gosto ou vontade
Nem defeito, nem qualidade
Têm medo apenas

Não tem sonhos, só tem presságios
O seu homem, mares, naufrágios
Lindas sirenas, morenas


Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Temem por seus maridos
Heróis e amantes de Atenas

As jovens viúvas marcadas
E as gestantes abandonadas
não fazem cenas

Vestem-se de negro, se encolhem
Se conformam e se recolhem
As suas novenas

Serenas


Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Secam por seus maridos
Orgulho e raça de Atenas


Chico Buarque



Eu gosto muito de Chico Buarque. Quando mais novo era lindo, hoje é um homem charmoso. Ele tem olhos verdes e gosto muito de olhos verdes, mas nem um ou outro destes motivos é que me levam a gostar de Chico, sou totalmente apaixonada pelas suas músicas, e o que elas contêm como a mensagem, a idéia, o romance, o afeto, a cantada. E elas aparecem na minha cabeça do nada, aparecem da memória antiga porque sempre saboreei - não encontro expressão mais de acordo - as músicas de Chico através de sua própria voz. Eu gosto da voz de Chico Buarque. Há uns poucos dias comecei a cantarolar do nada a música acima. Às vezes, acontece... É linda!

foto: Konrad Gös

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007


Ausência


Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces.
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada.
Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.



Vinícius de Moraes
foto:Eddie O'Bryan


Das utopias


Se as coisas são inatingíveis... ora!


não é motivo para não quere-las...


Que tristes os caminhos, se não fora


a magica presença das estrelas!


Mario Quintana
foto:Eddie O'Bryan


Repouso


Dá-me tua mão
E eu te levarei aos campos musicados pela
canção das colheitas
Cheguemos antes que os pássaros nos disputem
os frutos,
Antes que os insetos se alimentem das folhas
entreabertas.
Dá-me tua mão
E eu te levarei a gozar a alegria do solo
agradecido,
Te darei por leito a terra amiga
E repousarei tua cabeça envelhecida
Na relva silenciosa dos campos.
Nada te perguntarei,
Apenas ouvirás o cantar das águas adolescentes
E as palavras do meu olhar sobre tua face muito
amada.


Adalgisa Nery
foto:Eddie O'Bryan

Fashion Rio Inverno 2007

Redley - urbano cinza e pescador fashion


A Redley fechou o penúltimo dia do Fashion Rio com uma coleção inspirada em pescador, que serviu de pano de fundo para um inverno dentro da cidade com um pé na areia nas estampas de estrelas do mar e ondas. O cinza chumbo, os cortes de alfaiataria e os volumes, porém, fizeram o pescador entrar num inverno bem contemporâneo de ruas, carros e prédios.

Para os homens, bermudas e calças com corte de alfaiataria feitos em moletom, casacos de nylon estruturados e sofisticados, sobreposições de abrigos com paletós e camisas em xadrez. O nylon também aparece em outros momentos mais leve e bufante, como num vestido curto feminino. O moletom surge também no vestido feminino de manga comprida, cintura marcada e saia com volume.









Frase do dia:"Cafona é se endividar para estar na moda", Adriane Galisteu.

n.r.:Concordo. A novidade é a boa lembrança pelos estilistas da Redley sobre o inverno brasileiro, que normalmente alterna dias frios com dias mais agradáveis, permitindo durante o dia, braços e pernas de fora. Apostando na superposição de peças, e tecidos pouco quentes, permite a quem vive fora de S.Paulo e o sul do país em ficar mais elegante numa estação pouco friorenta, nada comparada ao inverno europeu.


fotos:Alexandre Scneider
fonte:UOL


quinta-feira, 18 de janeiro de 2007

Olimpíadas em Pequin

Pequin encontra 1.100 peças antigas em obras da Olimpíada


Cerca de 1.100 relíquias culturais foram desenterradas em obras dos Jogos Olímpicos de Pequim durante o ano passado. As relíquias foram descobertas em 10 locais diferentes e entre elas há 700 tumbas datando desde a época da Dinastia Han (206 a.C.-220 d.C.) até a Dinastia Qing (1644-1911), disse a agência de notícias Xinhua, citando Shu Xiaofeng, vice-diretor do Escritório de Relíquias Culturais de Pequim.

Pequim está construindo ou reformando 31 locais para os Jogos e investindo 40 bilhões de dólares para melhorar a infra-estrutura da cidade.

Em outubro, os trabalhos em um dos locais foi interrompido depois que funcionários encontraram um túmulo imperial a centenas de metros das obras do local das provas de tiro, onde foram achadas diversas tumbas da Dinastia Ming (1368-1644), no mês de maio.

Arqueólogos da Grécia também tiveram trabalho durante os preparativos para a Olimpíada de Atenas de 2004, já que muitas antiguidades foram encontradas nas obras.


fonte:Agência Reuters

Caranaval de Recife - 100 anos de frevo

Recife comemora o centenário do frevo


A edição deste ano do Carnaval de Recife será marcada pelas comemorações do centenário do frevo. A abertura oficial no dia 16/2 (sexta-feira), contará com 500 ritmistas de 13 Nações de Maracatu sob comando de Naná Vasconcelos. O cortejo que fará o trajeto da Rua da Moeda até o Marco Zero, terá a participação de artistas como Maria Bethânia.



A festa será distribuída em 16 pólos oficiais e 28 pólos comunitários, num total de 275 apresentações, além dos eventos das prévias carnavalescas, realizados de 12 a 15 de fevereiro na Praça do Arsenal e no Pátio de São Pedro. Entre os destaques, shows de artistas como Alceu Valença, Gal Costa, Antônio Nóbrega, Lia de Itamaracá, Selma do Coco, Cordel do Fogo Encantado, Eddie, Mundo Livre, Otto, Mestre Salustiano, Chico César, Pitty, Fundo de Quintal, Monobloco, Zeca Baleiro, Elba Ramalho, Negra Li, Zélia Duncan, Marcelo D2 e Tom Zé.

Veja alguns dos destaques dos pólos do Carnaval de Recife aqui.


fonte:UOL

quarta-feira, 17 de janeiro de 2007

A suástica ou cruz gamada

Hindus na Europa se unem para preservar suástica


A Alemanha, atualmente na Presidência rotativa da União Européia, quer fazer com que a negação do Holocausto e a exibição de símbolos nazistas seja um crime.

Ramesh Kallidai, do Fórum Hindu da Grã-Bretanha, disse que a suástica foi um símbolo de paz por cinco mil anos antes de adotada pelos nazistas. Segundo Kallidai, uma proibição do símbolo será uma discriminação contra hindus, e sua organização está escrevendo cartas para parlamentares europeus sobre o assunto. Grupos hindus na Holanda, Bélgica e Itália também estão envolvidos na campanha, disse Kallidai.

A suástica já é proibida na Alemanha. Uma tentativa anterior de proibir o símbolo em toda a União Européia, em meados de 2005, fracassou depois de objeções de vários governos, inclusive o britânico.

A Alemanha assumiu a Presidência rotativa de seis meses da União Européia no dia 1º de janeiro.

A suástica ou cruz gamada

A suástica ou cruz gamada é um símbolo místico encontrado em muitas culturas em tempos diferentes, dos índios Hopi aos Astecas, dos Celtas aos Budistas, dos Gregos aos Hindus. Alguns autores acreditam que a suástica tem um valor especial por ser encontrada em muitas culturas sem contatos umas com as outras. Os símbolos a que chamamos suástica possuem detalhes gráficos bastante distintos. Vários desenhos de suásticas usam figuras com três linhas. A nazista tem os braços indo para a esquerda e roda a figura de modo a um dos braços estar no topo. Outras chamadas suásticas não têm braços e consistem de cruzes com linhas curvas. Os símbolos Islâmicos e Malteses parecem mais hélices do que suásticas. A chamada suástica celta dificilmente se assemelha a uma. As suásticas Budistas e Hopi parecem reflexos no espelho do símbolo Nazista. China : Símbolo da orientação quádrupla que segue os pontos cardeais. Desde 700 d.C., ela assume ali o significado de número dez mil. No Japão, a suástica é usada para representar templos e santuários em mapas.

A suástica usada como símbolo do Budismo e que significa "bons ventos", foi utilizada por Adolf Hitler, devido à sua aparência como uma engrenagem, supostamente para simbolizar sua intenção de uma Revolução Industrial na Alemanha. Outro significado atribuído à suástica é "boa sorte", do sânscrito. Em 1957, o governo alemão criou uma lei pela qual a exibição da suástica em bandeiras, documentos e pinturas é expressamente proibida; leis similares foram adotadas em alguns países. Isso aconteceu para inibir qualquer tipo de adoração ao regime nazista.

n.r.:A tolerância é a alma do negócio.


fonte:BBC Brasil e Wikipédia

terça-feira, 16 de janeiro de 2007

Que verão é esse?

Ano passado nosso presidente usou a expressão "urucubaca" que significa coisa de mau-agouro para explicar coisas menos positivas que lhe iam acontecendo. Pois acredito piamente que o verão no Brasil é vítima de uma urucubaca violentíssima, "das boas", como dizem os mais entendidos. Até hoje, nada de dias soalheiros. Tirando uma quinta-feira e uma manhã de sexta-feira ensolaradas da semana retrasada, não há sinal do sol no horizonte deste meu Brasil. Tá mixa! Mixuruca prá caramba! Velhas expressões de um tempo mais feliz onde o sol podia irritar a mais pacífica das criaturas de tão quente que era nessa época do ano.

E como chorar não vale a pena, a solução é compensar a amargura. Como diz a maioria, onde me incluo, a vida fica mais bonita com chocolate. Então se vocês se cansaram de visitar todos os shoppings do Rio de Janeiro e as crianças estão em casa torrando a paciência, nada como mandar todo mundo à cozinha para se entreter com alguma coisa. Vou sugerir uma torta holandesa, facílima de fazer.



TORTA HOLANDESA especial


INGREDIENTES:

Massa:

1 pacote de Biscoito Leite e Mel NESTLÉ
100g de manteiga em temperatura ambiente
1 caixa de Biscoito Calipso NESTLÉ


Recheio:

1/2 lata de Creme de Leite NESTLÉ
3 colheres (sopa) de açúcar
1/2 pote de Sorvete de Creme NESTLÉ (1 litro)


Cobertura:

1/2 lata de Creme de Leite NESTLÉ
1/2 tablete de Chocolate Meio Amargo NESTLÉ


MODO DE PREPARO:

1.Bata o Biscoito no liquidificador até obter uma farofa fina.

2.Coloque esta farofa em uma tigela, junte a manteiga e misture até obter uma massa homogênea.

3.Reserve.

4.Coloque os Biscoitos Calipso em toda lateral de uma fôrma de aro removível (26cm de diâmetro), forre o fundo com a massa e reserve.

5.Bata o Creme de Leite com o açúcar e o Sorvete na batedeira e coloque o recheio sobre o fundo de massa reservado.

6.Cubra com papel de alumínio e leve ao freezer por cerca de 12 horas.

7.Coloque o Creme de Leite em um recipiente refratário e leve ao banho-maria, mexendo sempre até que a água ferva.

8.Desligue o fogo e misture o Chocolate picado, mexendo até formar um creme homogêneo.

9.Espere esfriar, cubra a superfície da torta e sirva.




fonte:Nestlé

segunda-feira, 15 de janeiro de 2007


Particularidades ...



Muitas vezes, a sós, eu me analiso e estudo,
os meus gostos crimino e busco, em vão torcê-los;
é incrível a paixão que me absorve por tudo
quanto é sedoso, suave ao tato: a coma... Os pêlos...


Amo as noites de luar porque são de veludo,
delicio-me quando, acaso, sinto, pelos
meus frágeis membros, sobre o meu corpo desnudo
em carícias sutis, rolarem-me os cabelos.


Pela fria estação, que aos mais seres eriça,
andam-me pelo corpo espasmos repetidos,
às luvas de camurça, às boas, à pelica...


Gilka Machado

Muita falta de sorte

Brinco perdido por Marlene Dietrich há 70 anos é encontrado


A atriz alemã perdeu o brinco de ouro e pérola há mais de 70 anos, durante uma volta numa montanha-russa na cidade litorânea de Blackpool, onde estava apresentando um show na época.

Como gostava muito da jóia, Marlene Dietrich pediu que as pessoas procurassem o brinco.

15 anos depois, operários que dragavam o lago do parque de diversões encontraram um brinco que seria da lendária estrela de cinema Marlene Dietrich.

"Comparamos (o brinco) com fotos tiradas na época da visita da atriz e certamente é parecido. E parece ter resistido muito bem ao tempo", disse uma porta-voz do parque de diversões à agência de notícias AFP.

A visita de Dietrich à Blackpool foi um acontecimento na cidade litorânea, ocorrendo em 1934, quatro anos depois da atriz ter estrelado O Anjo Azul.

Depois de perder o brinco, Dietrich - que morreu em 1992 com 90 anos - escreveu ao dono do parque, Leonard Thompson, pedindo que procurasse a jóia nos 18 hectares de área do parque, mas a busca não obteve sucesso.

Além do brinco, os funcionários que drenaram o lago que fica logo abaixo da montanha-russa encontraram dentaduras, um olho de vidro e um sutiã. Seriam também de "La Dietrich" ?


fonte:BBC Brasil
fotos:The On Sunday Mail


sábado, 13 de janeiro de 2007

Tempo de férias: Teatro para as crianças

"O Menino e o Burrinho", baseado em poesia de Cecília Meirelles


Era uma vez... um menino muito sozinho que, um certo dia, vai em busca de um burrinho que ele nunca viu, mas que sabe que será seu amigo. Essa é a história da peça "O menino e o Burrinho", em cartaz de 13 de janeiro a 04 de março do Centro Cultural São Paulo. Baseada no poema "O menino Azul" de Cecília Meirelles, a trama destaca a dificuldade das pessoas em fazer escolhas, não importa a idade que tenham.

Também tem como proposta a interação do público com os personagens. Por isso, logo na bilheteria já é possível conhecer o "Andarilho": ele se mistura com as crianças para fazer mágicas, jogos e canções. Mas isso dura somente até o início da peça, até que o personagem se misture aos atores e entre na história.

O MENINO E O BURRINHO
» Onde: Centro Cultural São Paulo, na sala Paulo Emilio Salles Gomes
Rua Vergueiro, 1000, Paraíso - São Paulo
» Quando: de 13 de janeiro a 4 de março
» Quanto: R$6,00 reais
meia entrada para estudantes, aposentados e classe artística


fonte:UOL

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007

Exposição de imagem

Minha dona quer que eu case!

Olá, meu nome é Sasha - sou o cão, não a loira, por favor - sou lindo, gostosinho, um charme! Meu nome vem da língua russa, onde Sasha, com "s" é um apelido (nickname) para Alexandre (em português), assim como Misha é para Mikhail. Minha personalidade é muito zen, minha dona me acha totalmente blasè, meu divertimento preferido é a observação, mas se aparece uma fêmea, UAU... meto os pés pelas mãos...quero dizer, as patas traseiras pelas dianteiras, fico afoito, não sou de conversas ao pé da orelha, eu sei que é meu grande erro, e minha dona aflitíssima, não se cansa de me avisar.

Há anos ela tenta me convencer que não uso a melhor tática, mas não tenho jeito, o impulso é mais forte e talvez por isso eu ainda não tenha arranjado uma companheira. Mas também ouvi dizer que há por aqui muitas donas que não querem que suas cadelinhas casem, dizem que dá muito trabalho... Minha preferência é por fêmeas altas, como a labrador Frida, para desespero de minha dona que não vê em nós nenhum futuro feliz. Também gosto da Marta e da Hanna, são maiores e mais robustas que a Frida, são uma sheepdog e uma bernese. Mas para não dizer que desprezo as baixinhas, tenho um lugar especial no meu coração pela Buffy, não a "caça-vampiros", e sim uma linda lhasa-apso que me despreza totalmente.

Esta carta que lhes escrevo, onde me exponho (coisa que detesto) e à minha dona (ela me ama, caso contrário, me escalpelaria) - a loirinha da foto - é porque a menina anda meio prá baixo, desesperada, já não é mais a mesma. Anda compulsiva, nervosa, viajou mais tempo do que de costume sem mim, ando com um feeling estranho... Ela está preocupada, posso sentir; meu faro não me engana. Portanto esta carta é para quem interessar-se na minha figura, e queira se casar comigo, pretendo constituir família. Coisa séria! Minha dona quer um filho meu!

Então lá vai: Sou português. Tripeiro da gema. O que significa que nasci na cidade do Porto, norte de Portugal. Sou um cão que tem viagens internacionais no curriculum, minha linhagem é Lynwater e Stocdale. Sou um legítimo Cocker Spaniel Inglês, na cor Azul-Ruão e tenho sobrenome etc e tal, mas omito porque não gosto de parecer um cara pedante, aliás, não sou merrrrrrrrrrrrrrmo! "Estou" carioquíssima e adoro as cariocas; tenho 9 anos, mas estou em forma, um gatão de meia-idade, como costuma dizer aquele cara do jornal que desenha e minha dona adora, o Miguel Paiva.

Ah! Ela me dará uma bronca se eu esquecer de mencionar que a foto não é deste Natal, que não tem me levado a passear no calcadão - estou branquela - porque só andava chovendo por aqui. Mas uma coisa é certa: eu amo a minha loira!




sábado, 6 de janeiro de 2007

FELIZ 2007 !!!! Bom Dia de Reis!!!!

À todos os meus amigos e amigas e todos os blogueiros um Feliz Ano Novo (acho que ainda vou a tempo) e um Bom dia de Reis com a rosca de reis (bolo-rei).

E mil desculpas por não ter dado notícias. Meu PC - não este onde escrevo no momento - não aguentou a ressaca e me deixou na mão. Acredito que lá para a semana que vem, já poderei voltar a escrever por aqui e visitar meus amigos.

Carlos, um beijinho especial, e muito obrigada! Estou bem, sumida certamente, e desculpe-me também, mas para o meio da próxima semana estarei novamente "trabalhando".






Ocorreu um erro neste gadget
Blog Widget by LinkWithin
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.